Oito Mulheres

Votos do leitores
média de votos
Votos do leitores
média de votos
Musical, Comédia 103 min 2002 M/16 18/10/2002 FRA

Título Original

Oito Femmes

Sinopse

Nos anos 50, numa casa burguesa no campo, aproxima-se a celebração do Natal. Mas uma tragédia acontece: o dono da casa é assassinado. Oito mulheres próximas da vítima estão presentes e uma delas é obrigatoriamente a culpada. Mas qual delas? Começa então uma longa jornada de inquérito, feita de disputas, traições e revelações, onde rapidamente nos apercebemos que cada uma tem os seus motivos e guarda segredos insuspeitos. A verdade virá ao de cima, cruel e trágica, fazendo cair as máscaras e os falsos semblantes. <br/> "8 Mulheres" é a última longa-metragem de François Ozon. Adaptado de uma peça policial dos anos 60 escrita por Robert Thomas, reúne oito brilhantes actrizes do cinema e teatro francês (Catherine Deneuve, Isabelle Huppert, Emmanuelle Béart, Fanny Ardant, Virginie Ledoyen, Danielle Darrieux, Ludivine Sagnier, Firmine Richard). E até o fantasma de Romy Schneider paira no filme através de uma fotografia. Uma comédia de "boulevard" com um cheirinho de musical em Technicolor, uns pózinhos de drama e muito "suspense" à Agatha Christie à mistura.<br/> O filme conquistou o Urso de Prata da Contribuição para o conjunto do elenco e consagrou Ozon como um dos mais promissores e criativos cineastas da nova geração do cinema francês. Com uma obra idiossincrática, Ozon já realizou filmes como "Sob a Areia" e "Gouttes d''Eau Sur Pierres Brûlantes" (adaptação de uma peça de Fassbinder). <p/>PUBLICO.PT

Críticas Ípsilon

Girl Power

Vasco T. Menezes

Ler mais

A Força do Sexo Fraco

Mário Jorge Torres

Ler mais

Oito Mulheres

Kathleen Gomes

Ler mais

Oito Mulheres

Vasco Câmara

Ler mais

Ozon a brincar com bonecas

Luís Miguel Oliveira

Ler mais

Críticas dos leitores

As Oito Mulheres de Ozon

Ricardo Pereira

Parece uma peça de teatro de Agatha Christie, mas no lugar do metódico Hercule Poirot aparecem a graça e o charme de actrizes como Catherine Deneuve, Isabelle Huppert, Emmanuelle Béart e Fanny Ardant. “8 Mulheres”, de François Ozon, é inteiramente sustentado por seu elenco feminino. O único homem é um morto. Isso porque o cenário armado para a história é uma festa de Natal conturbada porque o patriarca da família, Marcel, aparece na cama, com um punhal cravado nas costas. E uma das mulheres é necessariamente a culpada. Quem são essas mulheres? Mamy (Danielle Darrieux) é a matriarca, mãe de Gaby (Catherine Deneuve), a esposa de Marcel. A irmã de Gaby é Augustine, uma solteirona neurótica vivida por Isabelle Huppert. Gaby tem duas filhas, Suzon (Virginie Ledoyen) e Catherine (Ludivine Sagnier). Pierrete (Fanny Ardant) é irmã do morto, femme fatale, maliciosa e de língua ferina. Louise (Emmannuelle Béart) é a empregada da casa e Madame Chanel (Firmine Richard), a governanta. Quando Marcel aparece assassinado, as mulheres tentam descobrir a responsável pelo crime. Acontece então o de praxe. Quando uma investigação se inicia, o que primeiro vem à tona são os podres de cada um. Só depois, e como consequência dessa remoção de entulho, é que se chega ao culpado. Toda narrativa policial, a desse tipo, pelo menos, tem uma certa ambientação humorística. É perceptível em Conan Doyle e também na já citada Agatha Christie. Algo distancia essas histórias do realismo fechado da literatura policial, e essa distância é aquela fornecida por um confortável "não leve totalmente a sério". O que faz o realizador François Ozon? Amplia deliberadamente esse distanciamento auto-irónico e transforma sua história em farsa. Além disso, essa farsa, além de vir no formato de teatro filmado (no bom sentido do termo), ainda pode ser considerada um semi-musical. Isso porque, a momentos determinados da história, as mulheres em questão cantam. E as canções escolhidas falam dos seus sentimentos naqueles momentos. OK, elas não são grandes intérpretes. Mas é sempre bom ver (mais que ouvir) Catherine Deneuve tentando entoar “Toi Jamais” ou Emmanuelle Béart fazendo biquinho para cantar “Pile ou Face”. O interessante é ver oito mulheres – desde a patroa até a empregada, passando pelas filhas e a irmã da vítima como suspeitas - que acabam revelando segredos como se estivessem numa sessão de terapia de grupo exclusivamente feminina. Cada uma querendo salvar a própria pele e todas se degladiam o tempo todo. Se o filme é uma homenagem às mulheres, considere também que ele é cheio de referências ao próprio cinema. Muitas das cenas reproduzem grandes filmes em que as musas da década de 50 do cinema hollywoodiano participaram. Vale citar algumas dessas referências. Catherine Deneauve é a própria Marilyn Monroe no filme "The Misfits" (de John Huston), em uma das cenas musicais, toda loira e sensual. E nada melhor que o filme "Sabrina" (de Billy Wilder) para inspirar a roupa da personagem de Virgine Ledoyen (só que no filme original a cor da roupa de Audrey Hepburn é preta). Friminie Richard, que faz o papel de governanta, é a perfeita Hattie McDaniel de "E Tudo O Vento Levou". Outro grande momento é a citação de "Gilda", em que Fanny Ardant dança e faz o mesmo famoso strip-tease de Rita Hayworth. São esses momentos que fazem de "8 Mulheres" um grande filme, cheio de acção e com muita qualidade, com um elenco de 8 mulheres excepcionais.
Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!