As Asas do Desejo

Votos do leitores
média de votos
Drama 127 min 1987 M/12 26/01/2017

Título Original

Der Himmel über Berlin

Sinopse

Na Berlim fria e devastada do pós-guerra, um batalhão de anjos vela pelas almas perdidas que sofrem em silêncio. Entre a guarda divina estão os anjos Damiel (Bruno Ganz) e Cassiel (Otto Sander). Os dois observam o dia-a-dia dos seres humanos com curiosidade e admiração mas, no fundo, desejam viver as suas experiências, sentir as suas emoções - o que a condição de anjos não lhes permite. Um dia, Daniel fica encantado ao ver uma bela trapezista de circo, Marion (Solveig Dommartin), e apaixona-se por ela. Para poder tocá-la, tem de deixar de ser anjo e tornar-se humano, perdendo para sempre a sua imortalidade. Para ajudá-lo aparece Peter Falk, um anjo caído que soube fazer a transição entre os dois mundos. "As Asas do Desejo" narra a disputa entre o divino e o efémero, com uma lentidão poética pontuada por imagens a cores e preto e branco, que valeu a Wim Wenders a Palma de Ouro em Cannes. PUBLICO

Realizado por

Wim Wenders

Elenco

Peter Falk, Bruno Ganz, Otto Sander, Solveig Dommartin

Críticas Ípsilon

Wim Wenders e os anjos

Luís Miguel Oliveira

30 anos depois regressa às salas um dos mais célebres filmes de Wenders, aquele que, com Paris, Texas, forma o mais popular par de filmes do realizador durante a década de 1980.

Ler mais

Tão longe e tão perto

Raquel Ribeiro

Ler mais

Berlim vista de cima

Vasco T. Menezes

Ler mais

Críticas dos leitores

Berlim, o amor e a vida

Patrícia Mingacho

Há filmes cujo título transportamos connosco, nunca os vimos mas, de tanto termos ouvido falar sobre eles, é como se essa tela já tivesse, por nós, sido perscrutada. “As Asas do Desejo” teve esse efeito em mim e, apesar de outros filmes de Wim Wenders me terem entregado a um tédio terrível, sabia que com “As Asas do Desejo” o processo seria diferente. A voz que nos narra a história, a sua cadência, numa Berlim a preto e branco tolda a tela de magia. Berlim, uma cidade pela qual me apaixonei, embora não tendo visto “As Asas do Desejo” mas, depois de a ver sob a lente de Wim Wenders, a sua beleza decadente ganha um novo encanto. Há filmes que merecem ser vistos e revistos e este, pela sua densidade, pela sua beleza merece que o guardemos connosco. Vi-o, numa semana, duas vezes e, de cada vez que saí da sala de cinema, tive o mesmo encanto, a mesma sensação que o amor nos pode salvar e se o amor não nos salvar, a arte e a capacidade que temos para a contemplar terão a capacidade de tornar os dias menos vazios e as horas e a sua cadência um constante deslumbramento perante a beleza que é viver. Há filmes que nos agarram, que transportamos vezes sem conta no pensamento. Há imagens que gostaríamos que fossem parte do nosso viver, palavras que fossem parte do nosso dizer, sentimentos que de tão universais também são nossos. Ontem ao sair do cinema, tive a certeza que não queria sair daquela tela, tive a certeza que, mais uma vez, o meu tempo tinha sido pleno porque a arte, enquanto projecto maior da nossa existência, é capaz de nos levar numa viagem mágica, plena de sensações onde a única sensação que não temos é a de vazio. E ontem, mais uma vez, tive a sensação que os sentimentos, para além de universais são intemporais, as nossas demandas e anseios estão e estiveram lá. Ontem, tal como hoje, é preciso relembrar e os tempos no assombro dos dias são imagens que vemos repetir. "Agora só penso no presente. Que tem a paz que a longo prazo não causa entusiasmo? No hoje tal como no ontem de Wenders há espaço para este questionar.

Continuar a ler

Sublime

Marcelo Godoy

O filme é de uma delicadeza, cheio de sutilezas, tanto estéticas quanto de conteúdo. Possui várias camadas, mas não importa se o espectador compreende ou dá importância a todas, com certeza terá uma experiência extasiante. E para quem só viu a versão holywoodiana, não perca o original!

Continuar a ler

Poesia total

mrh

Filme de extraordinária beleza e pura poesia. <br /> <br />Muito mal entendido na época, com as pessoas a saírem das salas de cinema. <br /> <br />Para estes recomenda-se a versão americana, muito mais 'mastigadinha'.

Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!