Quando se Tem 17 Anos

Votos do leitores
média de votos
Drama, Romance 116 min 2016 M/12 26/10/2017 FRA

Título Original

Quand on a 17 Ans

Sinopse

<p>Esta história, que se desenrola nos Pirenéus franceses, foca-se em Damien (Kacey Mottet Klein), um adolescente homossexual que mora com a mãe médica (Sandrine Kiberlain) enquanto o pai militar está destacado em África. Um dia, é obrigado, por iniciativa dela, a viver com Thomas (Corentin Fila), o "bully" que o atormenta na escola. Isto porque a mãe de Thomas, paciente da mãe de Damien, é hospitalizada. A relação entre os dois acaba por se tornar muito mais próxima do que poderia parecer à partida. Um drama romântico sobre o despertar da sexualidade adolescente, co-escrito (com a ajuda de Céline Sciamma, a realizadora de "Bando de Raparigas") e realizado pelo veterano francês André Téchiné, responsável por "A Minha Estação Preferida", "Os Juncos Silvestres" e "Os Ladrões", entre muitos outros filmes. PÚBLICO</p>

Críticas Ípsilon

A força de outrora de Téchiné não aparece

Luís Miguel Oliveira

Os actores são impecáveis, Téchiné não filma com a indiferença que tinha tomado conta do seu cinema, e no entanto... e no entanto a força de outrora não aparece.

Ler mais

O mundo que nos rodeia

Jorge Mourinha

Dois rapazes num liceu de província a tentar fazer sentido do seu mundo. O melhor filme em muito tempo de Téchiné.

Ler mais

Críticas dos leitores

Quando se tem 17 anos

César Valença

O filme está muito bem feito, com uma história bem ritmada. Tem um tema difícil tratado com grande sensibilidade e poderia ter-se também transformado em melodramático, o que foi sabiamente evitado.

Continuar a ler

Só há um tipo de amor!...

Pedro Brás Marques

Quando se tem 17 anos… não se sabe de nada! Nem do mundo que nos rodeia, nem do nosso mundo interior. É nesta encruzilhada do crescimento que estão Damien e Thomas, colegas de liceu. Se o primeiro é um jovem urbano, filho duma médica e dum militar, típica família de classe média, já o segundo foi adoptado, vive na montanha, numa casa de lavoura de difícil acesso e com algumas dificuldades económicas. Estão na mesma turma, onde um é excelente aluno, ao contrário do outro. Começam por detestar-se e a relação rapidamente evolui para a violência física, incluindo dentro da própria escola. Mas a doença da mãe adoptiva de Thomas e o seu posterior internamento levam a que este venha viver para casa de Damien. E o ódio transformou-se no oposto… <br />Apesar do cenário montanhoso e do apascentar de animais, a verdade é que este “Quando se tem 17 anos” não é a versão francesa de “O Segredo de Brockback Mountain”. André Techiné conta com enorme delicadeza esta história “simples” de um amor gay entre dois adolescentes. Situando o argumento num cenário acidentado, metáfora perfeita para as dificuldades de percepção dos jovens, o realizador que nos deu obras magníficas como "A Minha Estação Preferida" e "Juncos Silvestres" mostra uma enorme sensibilidade perante o desafio de aguentar uma história que tinha tudo para desembocar num dramalhão lacrimejante, pois nem sequer falta a morte da figura paterna… Techiné soube evitar estes escolhos para mostrar que o que ambos sentiam era puro e verdadeiro, como quis sublinhar com o encontro algo inopinado de Damien com um homossexual adulto, para testar o jovem e provar ao espectador se o que ele sentia era volúpia ou amor verdadeiro. Ultrapassada a prova, mais nada restava senão a consumação da relação, o que acontece de forma natural e consequente. <br />Kacey Mottet Klein como Damien e principalmente Corentin Fila no papel do confuso Thomas estão à altura das personagens, numa interpretação nada fácil, com muito de emocional e pouco de física. A mãe de Damien, médica, sensata e calma, interpretada por uma excelente Sandrine Kiberlain, representa o amor heterossexual, não como contraponto do homossexual, mas sim para comprovar que só existe um tipo de amor. Alguns, passam por esta vida sem o vivenciarem. Outros, logo quando têm 17 anos…

Continuar a ler

Bienvenu Monsieur Techiné

Luis Telles

Sensibilidade, contenção e um apurado sentido do “milieu” são os trunfos da mais recente obra de Techiné. Um belo filme que (coisa tão rara hoje em dia) cheira a gente!

Continuar a ler

4 estrelas

JOSÉ MIGUEL COSTA

André Téchiné deu ao mundo um grande filme (uma obra-prima, atrevo-me a afirmá-lo), "Juncos Silvestres", no longínquo ano de 1994, consagrando-se quase de imediato um nome incontornável da História do cinema LGBT. No entanto, e apesar de a partir de então alguns dos nomes maiores da sétima arte gaulesa, como Isabelle Huppert, Juliette Binoche, Catherine Deneuve ou Emmanuelle Béart, terem integrado o elenco das suas obras posteriores, jamais conseguiu voltar a fazer juz à expectativa gerada em seu redor. <br />Finalmente o enguiço parece ter-se quebrado, regressando da "longa caminhada no deserto" com uma pequena pérola do cinema queer (quiçá devido à ajuda da realizadora Céline Sciamma, com quem partilhou a escrita do argumento), "Quando Se Tem 17 Anos". <br /> <br />É um filme com uma narrativa simples (a história central foca-se no relacionamento entre dois rapazes, pertencentes a extratos sociais diferentes, que frequentam a mesma escola, e que se vão aproximando emocionalmente de modo gradual, apesar de inicialmente nutrirem um ódio de estimação mútuo), mas a frescura e sensibilidade (quase lírica) com que transmite o florescer deste amor juvenil envolto numa tempestade de emoções (conseguindo abster-se do recurso ao "melodramalhão" previsível e/ou linear), transformam-no num produto algo especial (e para tal sucesso também muito contribuiu a química existente entre os dois grandes jovens actores, Kacey Mottet Klein e Corentin Fila).

Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!