Oldboy - Velho Amigo

Votos do leitores
média de votos
Mistério, Acção, Thriller 120 min 2003 M/18 25/11/2021 Coreia do Sul

Título Original

Num dia em 1988, Dae-soo, um homem casado e com uma filha, é raptado e aprisionado num quarto de hotel sem qualquer explicação. Quinze anos depois é libertado, é-lhe dado dinheiro, um telemóvel e um fato novo. Desorientado, ele luta para descobrir porque foi preso. Mas o seu raptor ainda tem planos para ele e envia-lhe mensagens que o incitam à vingança. "Old Boy" esteve no centro das atenções no Festival de Cannes em 2004 por causa de Quentin Tarantino. Presidente do júri do certame, Tarantino afirmou mesmo, antes de ver o filme, que admirava o trabalho do realizador. E "Old Boy" acabou por levar para casa o Grande Prémio do Júri. PUBLICO.PT

Críticas Ípsilon

Estômagos no sítio

Luís Miguel Oliveira

Ler mais

E agora, algo completamente diferente...

Vasco Câmara

Ler mais

Sessões

Críticas dos leitores

Vingança e crueldade de fixar à tv

pUKY

Um filme muito bem feito devido à sua história.<BR/><BR/>Mas das partes que mais marcou foi sem duvida aquela rapariga que ele tem um caso e que por acaso é sua filha e tambem aquele homem que se tenta suicidar com o seu cão.<BR/><BR/><BR/><BR/>UM FILME PARA ASSISTIR ACONSELHO A TODA A GENTE 5*.
Continuar a ler

Obra-prima

Ricardo Pestana

Um dos melhores filmes da última década. A não perder.
Continuar a ler

Para lá dos limites

J.P.T.

Um filme que torna os últimos 30 que vimos antes (ao menos até “Dogville”) em desperdício de tempo e celulóide. Da fórmula do "revenge movie" ficou só o esqueleto, preenchido por uma turbilhão de emoções ainda mais extremas do que a violência visualmente representada. A história é perfeita, cruzando os limites que distinguem os homens dos animais, e desafiando-nos a retraçá-los. A execução é perfeita, alternando espasmos de energia visual com momentos da mais opressiva contenção. “Oldboy” é uma obra-prima, para arrumar na prateleira ao lado de “Taxi Driver”, “Sonatine” ou “Se7en”.
Continuar a ler

Fabuloso

Pedro Maia

Desde que Kathleen Gomes fez a crítica a "The Fast and the Furious", eu prometi a mim mesmo não tecer comentários à coerência dos críticos do "Público": eles tratavam dela por mim. Portanto... "no comments". Prefiro falar de algo mais real do que um amontoado de intriguices do tipo "o Quentin Tarantino fechou o júri na sala, apontou-lhes uma arma à cabeça e disse-lhes que ou votavam no "OldBoy" ou então não voltavam a levantar a mão para mais nada". Eu sei, eu sei, era precisamente deste tipo de coisas que eu não devia falar, mas pronto... escapou-se-me! "OldBoy" é um filme dolorosamente eficaz. Partindo da premissa "filme em que se vai descobrindo o enredo com o próprio desenrolar da história", vai avançando com o realismo cruel asiático a que estamos habituados de outras produções.<BR/><BR/>Mas essencialmente, é parte de uma trilogia do director Chan-wook Park, sendo o primeiro filme sobre uma série de assassinatos na zona desmilitariezada norte-sul coreana, o segundo sobre um rapto tendo em vista angariar dinheiro para um transplante de rins e o terceiro este filme. Em todos estes filmes está presente de forma seminal o problema da estratificação de classes dentro da própria Coreia do Sul.<BR/><BR/>No primeiro destes três filmes está o poder político, corrompendo e subornando, e a vingança de um ex-agente sul-coreano. No segundo trata-se de colocar a nu o drama do desemprego e das diversas minorias sul-coreanas. Neste terceiro somos levados a um universo em que um milionário se decide por uma vingança brutal e completamente desproporcionada sobre um pobre cidadão comum. Mesmo sopesando os crimes deste homem, Dae-su , somos levados para o domínio quase do burlesco pela desproporção do castigo, pelos meios usados e pela sua dimensão.<BR/><BR/>É este lado que tem escapado muitas vezes das críticas a este filme. Fala-se deste filme como um exercício "gore", os críticos saltitam com meia dúzia de crueldades, com um peito à mostra, com cenas de sexo dos anos 60, quando o motor da história é simplesmente um castigo arbitrário e descomunal livre de qualquer sanção ou controlo social, o sub-mundo das "penthouses" (ironia, não é erro), do poder que corrompe quanto mais se concentra. E no fim, a suprema ilusão que se desfaz, com um vilão triunfante morto pela sua própria mão, desfeito no sorriso de uma memória que deixou de ser válida pela extinção da vingança cometida em nome dela.<BR/><BR/>E eu pergunto, onde é que temos uma história destas no cinema europeu? Não temos! Mas isso não impediu que "OldBoy" fosse "engavetado" no Porto dentro de uma sala com péssimas condições (Passos Manuel)... Enfim..., muito pouco para o vencedor do Festival de Cannes do ano passado. Mas pronto, enquanto este preconceito "visual" continuar, mesmo com a enxurrada de adaptações de filmes asiáticos, estes filmes serão sempre vistos como objectos e não como manifestações próprias de uma realidade própria, uma realidade compreendida por 1.500 milhões de pessoas, mas que aqui parecem filmes feitos por mongolóides criativos delirantes.<BR/><BR/>Filme fabuloso se o conseguirem integrar na realidade mais vasta de uma outra cultura. Não se preocupem com o "gore", é inteligente e nada gratuito, estando carregado de imenso sentido de humor (mas certamente quando for adaptdado à matriz judaico-cristã-americana vão-lhe tratar do sentido de humor) ; ))) Abraço a todos, vejam cinema, julguem o que veêm e não vejam o que dizem que devem ver. E já agora, para uma compreensão mais profunda do realizador de "OldBoy", nada como esta entrevista, em http://www.acidlogic.com/chan_wook_park.htm, mas especialmente esta, em http://www.fazed.com/movies/chan-wook.html.
Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!