Dune - Duna

Votos do leitores
média de votos
Ficção Científica, Acção, Drama 155 min 2021 M/12 21/10/2021 EUA, CAN

Título Original

Dune

Sinopse

Nesta grande aventura interplanetária, Timothée Chalamet dá vida a Paul Atreides, um jovem nascido numa sociedade feudal do futuro, onde várias casas nobres se digladiam para obter a preciosa especiaria melange. Esse condimento, que apenas existe no planeta Arrakis – também conhecido como Dune pela sua imponente paisagem desértica –, é usado para estender a vida humana, fazer viagens no espaço e garantir, a quem a possuir, poderes sobre-humanos. 
Depois de, em 1984, David Lynch ter tentado contar a história de “Dune”, a famosa série de ficção científica escrita por Frank Herbert (1920-1986), a história é agora reinventada por Denis Villeneuve num filme que teve a sua estreia mundial na 78.º edição do Festival de Veneza (fora de concurso). Para além de Chalamet, o filme conta com a presença dos actores Stellan Skarsgård, Javier Bardem, Zendaya, Jason Momoa, Josh Brolin, Oscar Isaac, Dave Bautista e Charlotte Rampling, entre outros. A música fica a cargo de Hans Zimmer, autor de algumas das mais icónicas bandas sonoras do cinema. PÚBLICO

Críticas Ípsilon

Dune, esta coisa da alma

Jorge Mourinha

Dune segundo o canadiano Denis Villeneuve é objecto de um formalismo deslumbrante que sufoca tudo o que o rodeia, um aperitivo que enche a vista mas não a alma.

Ler mais

Críticas dos leitores

Horrível e racista

Nuno

Verdadeiro retrocesso, muito mau, chato, redutor e medíocre, enfim... zero estrelas.
Continuar a ler

4 estrelas

José Miguel Costa

O canadiano Denis Villeneuve, após granjear a simpatia do público e da critica especializada (bem como a minha) com os os filmes "Homem Duplicado" (adaptação de um livro de Saramago), "Raptadas" e "Sicário" transformou-se, a par de Christopher Nolan, num dos raros realizadores de "blockbusters cerebrais", e a partir do lançamento de "Arrival" (2016) parece ter mudado o foco em exclusivo para o género sci-fi. <br /> <br />Depois de em 2017 ter-nos brindado com a obra-prima "Blade Runner 2049" (filme-sequela de um "clássico de nicho" imortalizado por Ridley Scott), eis que volta a pegar sem temor num colosso que já esteve nas mãos do inigualável mestre David Lynch, "Dune" (e o reultado final não desaponta - de todo!). <br /> <br />Primeira parte de um projecto, que deverá ter continuidade no próximo ano (como detesto ficar tanto tempo à espera "com água na boca"!), transporta-nos até um futuro distópico, no qual vários lideres planetários conspiram, e lutam entre si, pelo controle de um planeta desértico (habitado por um povo guerreiro que sobrevive no subsolo, à espera do Messias que os salvará das garras dos tiranos - encarnado pelo novo menino bonito de Hollywood, Timothée Chalamet) rico numa substância, apenas aí existente, essencial para as viagens intergalácticas. <br />Apesar de ser técnica e visualmente avassalador, há quem o conteste devido ao seu (alegado) ritmo lento e narrativa hermética. Todavia, não acompanho tal visão, por entender que tal opção é apropriada para uma obra eminentemente atmosférica e introspectiva, bem como por tratar-se de uma espécie de prólogo que serve de apresentação e desenvolvimento (sem pressas) das personagens principais para o "next episode".
Continuar a ler

Grandioso

Pedro Bras Marques

A projecção do desejo interior humano de que apareça alguém que reponha o “paradigma perdido”, aquele tempo inicial, de paz uterina, onde a harmonia e a justiça prevaleçam sobre tudo e onde os homens sejam, efectivamente, fraternos e livres é um arquétipo que a ficção-científica se tem encarregue de materializar. Neo, na trilogia The Matrix é um exemplo sobejamente conhecido, como também acontece com qualquer universo de Super-Heróis, com o Super-Homem à cabeça. A religião é outro plano onde a vinda dum “Salvador” é aguardada com ansiedade e esperança pelos crentes e, até na História e na Política, o fenómeno revela-se forte, como aconteceu entre nós com o “sebastianismo”. <br />Frank Herbert teve o dom de construir uma história em que doseou sabiamente as diversas vertentes duma abordagem messiânica. Chamou-lhe “Dune” e o livro tornou-se numa referência absoluta do universo da ficção-científica, influenciando centenas de autores em todas as áreas criativas e conseguindo fazer o sempre difícil cross-over para a literatura em geral. A história passa-se naturalmente no futuro, onde o universo conhecido está dividido por diversas “casas”, um pouco como no feudalismo. Uma dessas é a Atreides, de que Paul, figura central, é o mais jovem descendente. A luta com as demais rivais justifica-se pela necessidade de controlar o planeta Arrakis, único lugar do Universo onde se pode encontrar uma especiaria, a melange, uma espécie de “pedra filosofal”, que prolonga a vida e as capacidades humanas, além de ser a única forma de se alcançar viagens interestelares. A família Atreides desloca-se para Arrakis, mas acaba traída pela rival Harkonen. O pai de Paul é morto e ele e a mãe fogem para o deserto, onde além de vermes gigantescos, também lá habitam os Freman, os nativos do planeta que vêm no jovem a encarnação do messias libertador há muito anunciado nas profecias. <br />A história já havia sido alvo dum filme que fez história nos anos 80, realizado por David Lynch, com Kyle Maclachlan no papel de Paul Atreides, e duma série de televisão, ambos com enorme sucesso. É claro que o realizador de “Twin Peaks” não dispunha dos meios tecnológicos de hoje, mas não é isso que faz a diferença para a versão de Dennis Villeneuve. “Dune”, em 2021, tem uma dimensão metafísica que o primeiro não conseguiu alcançar. A sensação de que se está perante uma história “bigger than life”, em que a personagem principal é alguém capaz de verdadeiramente fazer mudar o Universo só se alcança no filme do canadiano. Além do mais, Villeneuve deslumbra-nos com cenários majestáticos, mas, ao mesmo tempo, niilistas. Não há qualquer receio em abarcar paisagens e construções gigantescas e colocá-las dentro do ecran, sem que percam o dramatismo esmagador da sua dimensão. Aliás, neste momento, não há nenhum realizador que consiga, tão bem como ele, fazer passar uma mensagem de teor metafísico. No mesmo âmbito, já ele o tinha feito em “Arrival” com a problemática do tempo não linear e em “Blade Runner 2049” com a questão do conceito de Vida. Isto para não falar na imaterialidade familiar em “Incendies” e em “Prisioners”, sem esquecer a sua interpretação para “O Homem Duplicado”, de José Saramago, em “Enemy”. Tudo isto para dizer que em “Dune”, Villeneuve confirma a excelência da sua visão, sem nunca perder a mão da fabulosa história que tem nas mãos, antes respeitando a sua dimensão e leituras. <br />Mas se o brilhantismo na realização e a excelência da fotografia já fariam de “Dune” um grande filme, daqueles que horam a essência da 7ª Arte, também é verdade que seria injusto esquecer os actores escolhidos, em especial, claro, Timothée Chamalet, seguro na sua composição duma personagem em crescimento, mas sem receio algum do futuro e, até, do destino que lhe está reservado e que ele vai intuindo. <br />Esta é a primeira de duas partes, sendo que a segunda ainda nem sequer entrou em produção. Aguardemos, portanto, até 2023, para confirmar se Dennis Villeneuve confirma o seu “magic touch”.
Continuar a ler

4 estrelas

José Miguel Costa

O canadiano Denis Villeneuve, após granjear a simpatia do público e da critica especializada (bem como a minha) com os os filmes "Homem Duplicado" (adaptação de um livro de Saramago), "Raptadas" e "Sicário" transformou-se, a par de Christopher Nolan, num dos raros realizadores de "blockbusters cerebrais", e a partir do lançamento de "Arrival" (2016) parece ter mudado o foco em exclusivo para o género sci-fi. <br /> <br />Depois de em 2017 ter-nos brindado com a obra-prima "Blade Runner 2049" (filme-sequela de um "clássico de nicho" imortalizado por Ridley Scott), eis que volta a pegar sem temor num colosso que já esteve nas mãos do inigualável mestre David Lynch, "Dune" (e o reultado final não desaponta - de todo!). <br /> <br />Primeira parte de um projecto, que deverá ter continuidade no próximo ano (como detesto ficar tanto tempo à espera "com água na boca"!), transporta-nos até um futuro distópico, no qual vários lideres planetários conspiram, e lutam entre si, pelo controle de um planeta desértico (habitado por um povo guerreiro que sobrevive no subsolo, à espera do Messias que os salvará das garras dos tiranos - encarnado pelo novo menino bonito de Hollywood, Timothée Chalamet) rico numa substância, apenas aí existente, essencial para as viagens intergalácticas. <br />Apesar de ser técnica e visualmente avassalador, há quem o conteste devido ao seu (alegado) ritmo lento e narrativa hermética. Todavia, não acompanho tal visão, por entender que tal opção é apropriada para uma obra eminentemente atmosférica e introspectiva, bem como por tratar-se de uma espécie de prólogo que serve de apresentação e desenvolvimento (sem pressas) das personagens principais para o "next episode".
Continuar a ler

Boa técnica, mau argumento ...

Vítor Fernandes

Um cinéfilo como eu fica com sentimento "agridoce" depois deste longo filme. Sob o ponto de vista técnico, fotografia, efeitos especiais está excelente. Sob o ponto de vista da história/argumento é uma deceção. É um filme "confuso" e incoerente. Normalmente as sequelas deixam pontas para continuação, mas em Dune-Duna é um filme sem fim, sem lógica e vamos precisar de ver o próximo para entender o primeiro. Na minha opinião um "flop"... A única coisa realmente boa do filme é a questão ambiental, toca num ponto importante: a água potável no futuro.
Continuar a ler

Um filme decepcionante e medíocre

Paulo Lisboa

Fui ver este filme porque sou apreciador de ficção científica e porque já tinha visto a anterior versão de "Dune" em 1985, filme quer revi há uma semana, e do qual gostei muito. A expectativa para ver esta nova versão, era assim grande. Não gostei do filme. O filme é uma completa desilusão. O filme é muito arrastado, desgarrado, com um argumento vago que só não é confuso, porque já tinha visto o anterior filme. As personagens de um do geral, sobretudo se compararmos com o filme de 1985, são mediocremente representadas. O actor que faz de Paul de Atreides, não tem carisma nenhum, é uma sombra do da versão de 1985. Para cúmulo, até a imagem, quase sempre escura, é de má qualidade. Estamos perante um filme mau que não recomendo de modo nenhum que se veja. Numa escala de 0 a 20 valores, dou 7 valores a este filme.
Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!