2046

Imagem Cartaz Filme
Foto
Votos do leitores
média de votos
Imagem Cartaz Filme
Foto
Votos do leitores
média de votos
Romance, Drama, Ficção Científica 120 min 2004 M/12 31/12/2020 ALE, Hong-Kong, FRA, China

Título Original

Continuação, "remake" ou "remix" de "In The Mood for Love - Disponível para Amar", voltamos a encontrar em "2046" a personagem do escritor-jornalista. Hong Kong, 1966. No seu pequeno quarto de hotel, Chow Mo Wan, em crise de inspiração, tenta terminar um livro de ficção-científica cuja acção decorre em 2046. Através da escrita, Chow vai relembrando as mulheres com quem se cruzou durante a sua existência solitária. Apaixonadas, cerebrais ou românticas, cada uma delas deixou um traço indelével na sua memória e alimentou o seu imaginário. Uma delas assombra com frequência a sua memória: Su Li Zhen, a única que ele certamente amou. Ela ocupava o quarto ao lado do seu, o quarto 2046. PÚBLICO

Críticas Ípsilon

2046

Mário Jorge Torres

Ler mais

2046

Luís Miguel Oliveira

Ler mais

Not in the mood for love

Kathleen Gomes

Ler mais

2046 Odisseia no Planeta Wong Kar-wai

Vasco Câmara

O homem chegou, como um astronauta que dificilmente consegue fazer-se entender em relação ao que os seus olhos viram no planeta distante, e disse: “No dia de hoje [Maio de 2004, na Croisette], pode-se dizer que o meu filme está acabado”.

Ler mais

Sessões

Críticas dos leitores

O amor acontece (?)

Gonçalo Sá - http://gonn1000.blogspot.com

Obras como "Chungking Express", "Anjos Caídos" ("Fallen Angels") ou "Felizes Juntos" ("Happy Together") garantiram a Wong Kar-wai um lugar de culto dentro do cinema actual, estatuto ainda mais reforçado com o incensado "Disponível Para Amar" ("In the Mood for Love"), de 2001, para muitos a sua obra-prima. Com uma estética peculiar e reconhecível, o cineasta destacou-se, entre outros motivos, pela inquietante carga visual que explora nos seus filmes, dotando-os de um estilo de realização incomum e pessoal. "2046" é considerada a sequela - ou continuação, ou "remix", dependendo da perspectiva - de "Disponível Para Amar" e volta a apostar em domínios carregados de tensão emocional e desilusão amorosa.<BR/><BR/>A película segue as experiências de Chow Mo Wan - interpretado pelo já habitual Tony Leung -, um escritor dos anos 60 que recorda as mulheres que marcaram a sua vida enquanto prepara um novo romance de ficção científica intitulado "2046" (que é, também, o número de um quarto do hotel onde se encontra instalado e que foi habitado por algumas das mulheres que conheceu). Este é o mote para Wong Kar-wai proporcionar uma reflexão pelos meandros das relações humanas, geralmente caracterizadas por atmosferas emocionais melancólicas e angústias existenciais.<BR/><BR/>Como é frequente nas obras do realizador oriental, o filme não segue uma narrativa linear e tipificada, antes opta por expor fragmentos e estilhaços que se interconectam e influenciam, gerando um complexo puzzle que se (des)constrói em cerca de duas horas. O resultado, por vezes envolvente e sedutor, é contudo mais redundante do que intrigante, dispersando-se em longas recordações e pedaços de experiências que nem sempre conseguem envolver.<BR/><BR/>A vertente visual é exímia, ou não fosse Kar-wai um sofisticado e exigente esteta capaz de tornar cada plano numa simbiose de criatividade e requinte, mas o "argumento" não está, infelizmente, à altura dos rasgos hipnóticos do grafismo.<BR/><BR/>"2046" oferece pontos de interesse como os contrastes entre ambientes retro e territórios futuristas, ambos contaminados com aliciantes doses oníricas e complementados com uma adequada banda-sonora e excelente fotografia. Embora esses elementos contribuam para o deleite contemplativo, a resposta emocional é reduzida, uma vez que as personagens são concentrados de frieza, amargura e solidão, raramente despoletando empatia. Não se procuraria um tom espirituoso num filme que aborda a perda e a quebra de elos, mas "2046" exibe pouco calor humano, ainda que tenha consideráveis cenas de sexo e intimidade conjugal (que, mesmo habilmente filmadas, não demovem a carga distante da película).<BR/><BR/>A espaços estimulante, a mais recente obra de Wong Kar-wai é prejudicada por uma narrativa desigual, com diversos altos e baixos, tornando-se numa experiência cinematográfica que, apesar de singular, suscita níveis de entusiasmo apenas medianos. A beleza e mestria das imagens - carregadas de texturas e contrastes cromáticos - quase disfarçam a pretensão de uma obra cujo resultado está abaixo das expectativas e é tão efémero como as relações da personagem de Tony Leung. Classificação: 2,5/5 - Razoável.
Continuar a ler

2046 horas depois...

Vera Pinho Morgado

Indiscutivelmente complexo, proporciona-nos uma viagem real no campo da ficção científica e humana onde as emoções e as pessoas ocupam sempre a primeira página de um livro que ainda está a ser escrito e cujo fim vamos conhecendo. "2046" é a justa continuação de "In the Mood for Love", que mais uma vez nos envolve numa aura kar-waisiana irresistível.
Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!