Sonhos Cor-de-Rosa

Votos do leitores
média de votos
Drama, Romance 134 min 2016 06/04/2017 ITA, FRA

Título Original

Fai bei sogni

Sinopse

Massimo é um jornalista bem-conceituado que trabalha num dos mais importantes jornais de Itália. Um dia, após um trabalho particularmente difícil sobre a Guerra da Bósnia, começa a ter ataques de pânico. Simultaneamente, vê-se obrigado a tratar dos assuntos da venda da casa de família, onde viveu toda a infância. Ao encarar as memórias do passado, a situação de ansiedade piora. É então que, ao procurar ajuda profissional, conhece a Dr.ª Elisa, alguém que o vai ajudar a superar um trauma que teve origem numa perda irreparável: a morte da mãe quando tinha apenas nove anos de idade.
Versão cinematográfica da obra "Tem Bons Sonhos", do escritor italiano Massimo Gramellini, "Sonhos Cor-de-Rosa" vem assinado por Marco Bellocchio ("Em Nome do Pai", "Sedução Diabólica", "Bom Dia, Noite", "Vencer"). Valerio Mastandrea, Bérénice Bejo, Fabrizio Gifuni e Barbara Ronchi dão vida aos personagens. PÚBLICO
 

Críticas Ípsilon

Fantasmas italianos

Luís Miguel Oliveira

Sonhos Cor de Rosa não será o filme mais exuberante de Bellocchio mas atesta a bem a coerência da sua obra.

Ler mais

Críticas dos leitores

3 estrelas

JOSÉ MIGUEL COSTA

"Sonhos Cor-de-Rosa" é um melodrama familiar detentor da estrutura de um filme biográfico convencional, com um rigoroso sentido de construção dramática (e com uma base algo psicanalitica), que intercala três fases da vida da sua personagem principal de um modo não cronológico e sem grandes preocupações factuais. <br /> <br />Tendo por base as temáticas do amor materno e a não superação do período de luto, Marco Bellocchio relata-nos a(s) vivência(s) de um orfão, oriundo de classe média de Turim nos anos 60, que nunca aceitou/superou a súbita partida da sua mãe (cuja causa da morte se manteve envolta numa espécie de "neblina"), degenerando num adulto bem-sucedido profissionalmente, todavia, apático e aparentemente destituído de vontade(s). E este seu estado de espirito parece ter contagiado a própria película, na medida em que a narrativa, impregnada de clichés, arrasta-se em constantes círculos, sem grandes clímaxes e, quase sempre, no limiar da lamechice de lágrima fácil (embora, consiga escapar com elegância a tal armadilha). <br />Estranhamente, e apesar de tudo isto, o realizador "agarra-nos" (e de que maneira!) com o recurso às inúmeras, e longas, sequências de flashback do personagem enquanto petiz (simplesmente, cativantes). Realce-se, ainda, um outro aspecto que eleva este produto, a omnipresente e belíssima banda sonora de Carlo Crivelli...magistralmente inserida nos momentos-chave.

Continuar a ler

3 estrelas

JOSÉ MIGUEL COSTA

"Sonhos Cor-de-Rosa" é um melodrama familiar detentor da estrutura de um filme biográfico convencional, com um rigoroso sentido de construção dramática (e com uma base algo psicanalítica), que intercala três fases da vida da sua personagem principal de um modo não cronológico e sem grandes preocupações factuais. <p> Tendo por base as temáticas do amor materno e a não superação do período de luto, Marco Bellocchio relata-nos a(s) vivência(s) de um órfão, oriundo de classe média de Turim nos anos 60, que nunca aceitou/superou a súbita partida da sua mãe (cuja causa da morte se manteve envolta numa espécie de "neblina"), degenerando num adulto bem sucedido profissionalmente, todavia, apático e aparentemente destituído de vontade(s). E este seu estado de espírito parece ter contagiado a própria película, na medida em que a narrativa, impregnada de clichés, arrasta-se em constantes círculos, sem grandes climaxs e, quase sempre, no limiar da lamechice de lágrima fácil (embora, consiga escapar com elegância a tal armadilha). Estranhamente, e apesar de tudo isto, o realizador "agarra-nos" (e de que maneira!) com o recurso às inúmeras, e longas, sequências de flashback do personagem enquanto petiz (simplesmente, cativantes). Realce-se, ainda, um outro aspecto que eleva este produto, a omnipresente e belíssima banda sonora de Carlo Crivelli... magistralmente inserida nos momentos-chave. </p>

Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!