O Grande Ditador

Votos do leitores
média de votos
Comédia 123 min 1940 M/6 26/08/1999 EUA

Título Original

The Great Dictator

Sinopse

Uma sátira burlesca de Charles Chaplin a Hitler e ao nacional-socialismo, apesar de Chaplin ter acabado por declarar que se, na altura da rodagem, tivesse ideia da verdadeira extensão das atrocidades nazis "nunca poderia ter gozado com tal insanidade homicida". O filme, rodado em segredo no final dos anos 30, estreou na América em 1940, em plena II Guerra Mundial. A história tem como protagonista um soldado-barbeiro judeu que, no final de uma batalha, perde a memória e vai parar a um asilo. O barbeiro tem uma grande semelhança com o ditador Adenoid Hynkel que ganha poder e se prepara para invadir o país vizinho Osterlich. Para isso, tenta arranjar financiamento junto da comunidade judaica, mas esta recusa-se a ajudá-lo. Por essa razão, Hynkel reprime-os violentamente e o barbeiro vai parar a um campo de concentração. Uma das grandes obras de Charles Chaplin e a sua primeira com som, 13 anos após o fim do mudo, com a qual conquistou o prémio de melhor actor (que recusou) atribuído pelo Círculo de Críticos de Cinema de Nova Iorque. O filme foi ainda nomeado para cinco Óscares, entre os quais o de melhor filme.<p/>PÚBLICO

Críticas Ípsilon

Coreográfica do gesto

Mário Jorge Torres

Ler mais

Críticas dos leitores

Riamo-nos muito

Luís de Matos

Ainda era pequeno. Meus pais não tinham televisão. Uns vizinhos tinham uma, que lhes saiu por sorteio, numas festas populares. Passei a frequentar a casa deles, por causa dos filmes de Charlot e já reparava nas metáforas que as curtas-metragens nos faziam. Riamo-nos muito mas não tinhamos consciência dos aspectos sociais que os filmes transmitiam. Ganhei-lhes o gosto e o respeito. Quando "arranjei" idade e dinheiro para ir ao cinema, logo que me foi possível fui ver os filmes de Charlie Chaplin e "O Grande Ditador" foi dos mais belos que vi até hoje. Continuava a rir, muito mesmo e mais tarde quando soube das atrocidades nazis, perguntei-me como fora possível o homen ter chegado tão longe. Barbárie absoluta e ainda me disseram que foi um mal necessário. Poderemos ir longe quando quisermos, sem praticar actos de exterminação, mesmo que seja, hoje, necessário rever filmes, todos os filmes deste realizador.

Continuar a ler

Riamo-nos muito

Luís de Matos

Ainda era pequeno. Meus pais não tinham televisão. Uns vizinhos tinham uma, que lhes saiu por sorteio, numas festas populares. Passei a frequentar a casa deles, por causa dos filmes de Charlot e já reparava nas metáforas que as curtas-metragens nos faziam. Riamo-nos muito mas não tinhamos consciência dos aspectos sociais que os filmes transmitiam. Ganhei-lhes o gosto e o respeito. Quando "arranjei" idade e dinheiro para ir ao cinema, logo que me foi possível fui ver os filmes de Charlie Chaplin e "O Grande Ditador" foi dos mais belos que vi até hoje. Continuava a rir, muito mesmo e mais tarde quando soube das atrocidades nazis, perguntei-me como fora possível o homen ter chegado tão longe. Barbárie absoluta e ainda me disseram que foi um mal necessário. Poderemos ir longe quando quisermos, sem praticar actos de exterminação, mesmo que seja, hoje, necessário rever filmes, todos os filmes deste realizador.

Continuar a ler

A nunca perder

Paulo Moura

Sem dúvida alguma, esta é e será uma das maiores pérolas cinematográficas de todos os tempos. A ver na sala escura e a rever para toda a vida em qualquer formato. Obrigatório como qualquer outro filme deste génio que nos põe a pensar o que andamos verdadeiramente aqui a fazer.

Continuar a ler

Patético palhaço

Tarek Aziz

Este filme é péssimo. Uma pantomina, onde o pior mesmo é mímica de palhaço rico do Charlot.

Continuar a ler

Obra-prima

Fernando Ribeiro

Obra-prima absoluta. A ver e a rever sempre.

Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!