Roma

Votos do leitores
média de votos
Drama 135 min 2018 M/14 13/12/2018 MEX, EUA

Título Original

Roma

Sinopse

Cidade do México, década de 1970. Cleo, de origem indígena, é empregada em casa de António e da sua esposa Sofia. Para além da responsabilidades domésticas, ela tem a seu cargo as quatro crianças do casal. Cleo é a primeira a levantar-se para acordar as crianças, alimentá-las e levá-las à escola e também a última a deitar-se depois de deixar tudo em ordem para o novo dia. Enquanto isso, o casamento está em ruptura e o país em mudança…
Leão de Ouro na 75.ª edição do Festival de cinema de Veneza, um filme autobiográfico filmado a preto e branco que recria uma época conturbada da História do México e uma fase importante da infância de Alfonso Cuarón (“E a Tua Mãe Também”, “Os Filhos do Homem”, “Gravidade”) que, para além da realização, acumula aqui  a responsabilidade do argumento, fotografia e montagem.  O elenco conta com a estreante Yalitza Aparicio, Marina de Tavira, Diego Cortina Autrey, Carlos Peralta, Nancy García García , Marco Graf, Daniela Demesa e Jorge Antonio Guerrero. Uma produção Netflix que mesmo assim chega às salas de cinema. PÚBLICO

Críticas Ípsilon

Mexico 70

Luís Miguel Oliveira

Não deixa de ser uma ironia, face à quantidade de “informação visual” de Roma que seja um filme Netflix, a ser maioritariamente visto em ecrãs de computador ou de TV.

Ler mais

Críticas dos leitores

Que filme estupendo!

Rodrigo Pompeu

Magnífica obra de Alfonso Cuarón! Muito sensível sem ser piegas.
Continuar a ler

Roma

António Caroço

Arrebatador e envolvente. Vai perdurar na memória reservada aos bons filmes.
Continuar a ler

Estou apaixonada

Luisa Santos

Eu não gosto deste filme. Eu estou apaixonada por ele, guardando-o no peito como um objecto raro. Sem saber que era baseado nas memórias do realizador na altura em que o vi, apercebi-me ainda assim desta componente de memória, talvez pelas escolhas que o director fez de enquadramento e luz. Há um distanciamento relativamente à acção e às personagens. E ao mesmo tempo tudo é imbuído de amor pela forma como a câmara segue olhares e gestos. É obviamente um filme pessoal, feito com muito amor e regozijo-me que a netfliz tenha dado liberdade a Cuaron de criar esta obra muito especial. Vale a pena só pela cinematografia. Vale a pensa só pela cena inicial e pela cena final.
Continuar a ler

Banal

Joao Luz

Uma história sem história, a preto e branco, sobre o quotidiano de um casal burguês com quatro crianças, contrastada com o das duas empregadas domésticas internas. <br />A dona e casa e uma das empregadas têm em comum a circunstância de terem de reorganizar as vidas após serem preteridas no amor. <br />O filme ainda assim tem inquestionavelmente momentos magistrais.
Continuar a ler

Roma

José Eduardo Mendonça

Saudemos o regresso de Alfonso Cuaron e seu filho ao seu país natal para nos dar este belíssimo filme que se tornará em breve um clássico da cinematografia mexicana...
Continuar a ler

Maravilhosas Memórias

Paulo B

O filme é uma viagem pelas memórias do realizador Alfonso Cuarón, nascido na cidade do México em 1961. <br />O enredo decorre nesta cidade em 1970/1971. A casa abastada, os empregados de origem nativa, as crianças que deambulam pela casa fazendo birras, o casal burguês endinheirado. Veio-me à memória um outro filme, a curta-metragem de Miguel Gomes, “Inventário de Natal”. Embora muito diferentes um do outro na temática e na imagem, a reconstituição que ambos fazem de partes da infância e adolescência dos seus realizadores, que por acaso também coincidem cronologicamente com a minha, é soberba. Acho que quem viveu a infância nos anos 70 se sentirá particularmente comovido. Mas o filme não vale a pena só por isso. <br />O realizador evoca acontecimentos políticos ocorridos na cidade do México em 1971 e coloca-os na vida das personagens, ao mesmo tempo faz uma homenagem ao cinema pondo em cena filmes míticos da época – veio-me à memória um outro filme, "Cinema Paraíso", de Giuseppe Tornatore. O filme agarra os espectadores, é capaz de os comover até às lágrimas, evolui numa tensão crescente até ao epílogo final, um momento redentor, catártico e apaziguador. <br />Em termos estéticos, a fotografia a preto-e-branco, a parte sonora e a reconstituição rigorosa dos décors da época resultam muito bem. A cena do pai a estacionar o Ford Galaxy é maravilhosa. Só um realizador com uma sensibilidade e talento muito especial, como é definitivamente o caso de Alfonso Cuáron, é capaz de transformar uma situação aparentemente banal num sublime momento de cinema.
Continuar a ler

«ROMA é AMOR lido ao contrário

Pedro Brás Marques

"ROMA é AMOR lido ao contrário". Esta frase que os actuais romanos da Lazio gostam de lembrar, serve como uma luva para sintetizar o argumento do mais recente filme de Alfonso Cuarón, passado noutro continente, no bairro (“Roma”) duma cidade também ela com muita história, a antiga Tenochtitlán, actual Cidade do México. <br /> <br />É nesse bairro que, no início da década de 70 do século passado, vive uma família da classe média: um casal, ele médico e ela dona de casa, quatro filhos e a avó materna dos miúdos. E vivem ainda duas empregadas, Adela e Cleo, esta a protagonista de “Roma”. Tem as iniciais da antiga rainha do Egipto, mas na verdade chama-se Cleodegaria, o que não a torna menos nobre. Porque ela é a bondade encarnada. Cleo não se exalta, não se perturba, trata toda a gente como se fossem boas pessoas. Conforma-se com a sua situação, tenta resolver os problemas à sua maneira e ajudar os outros conforme pode. As crianças adoram-na e os animais vêm lamber-lhe a mão. As mulheres da casa também, incluindo a mãe das crianças, algo irresponsável e vazia, ironicamente chamada Sofia. Cleo é a coluna que segura toda aquela estrutura que, emocionalmente, está à beira da rutura, quando o pater famílias resolve virar as costas a todos e ir viver com a amante… Pelo meio, Cleo engravida mas isso não perturba o seu dia-a-dia e o seu trabalho transformado em missão. Chega a confessar que preferia não ter sido mãe a perder a sua vida rotineira. <br /> <br />Nada parece afectá-la e até os elementos se curvam perante Cleo. A terra entrou em ebulição sísmica quando ela visitava o hospital mas os escombros não lhe tocaram. O fogo que ardeu na quinta também a deixou intocada, bem como às crianças. E a água respeitou-a quando teve de entrar mar dentro, qual Moisés, sem saber nadar, numa das mais belas cenas do filme. E o ar? O ar transmite sons e cheiros, que ora lhe recordam a infância, ora anunciam sabores e aromas perfeitos. Cleo é o ponto de equilíbrio natural, como o demonstrou no exercício de artes marciais, é o “quinto elemento”, o amor, que tudo une e que tudo salva, mesmo que tal aconteça ao seu ritmo, lento e pausado (“Gosto de fingir de morta”…). Ela é a luz, ao contrário , por exemplo, do mordomo Mr. Stevens, de “Os Despojos do Dia”, uma personagem também religiosamente dedicada à usa profissão mas mergulhada em escuridão. Tudo isto numa mulher com apenas metro e meio de altura, como acontece com os descendentes directos dos povos pré-hispânicos, como é o seu caso, uma mixteca. <br /> <br />Este “Roma” foi para o realizador Alfonso Cuarón um projecto pessoal, um filme literalmente de autor pois a fotografia, o argumento e a realização têm a sua assinatura, além de ser, também, um registo semi-autobiográfico da sua infância, uma homenagem a “Libo”, a empregada de casa dos pais, à imagem da qual construiu Cleo. Filmado a preto-e-branco, acentuando um tempo que já foi, Cuarón conta a história da empregada quase à velocidade dela. Planos fixos (“paralíticos”) extremamente cuidados, onde se aguarda que as personagens entrem no campo de visão e longos travellings que sublinham a continuidade e fluidez da história são as principais opções visuais do realizador. Por outro lado, sabiamente, Cuarón estruturou dois espaços distintos, dentro e fora de casa, como que representando, cada um, o paraíso da protecção maternal e o inferno e os perigos do exterior. O ritual da entrada do carro na estreita garagem é quase um marco de fronteira entre esses dois mundos. Mas “Roma” funciona também pela interpretação suave de Yalitza Aparicio, que dá vida e alma a Cleo. Com ela rimos e com ela chorámos, desejando que, também nós, pudéssemos ter tido um anjo da guarda semelhante..
Continuar a ler

A "mania"

Lucas Giestas

Quando um cineasta europeu vai parar a Hollywood o seu produto decresce de qualidade pois ele tem deee fazer concessões mas insiste em continuar autor. Os resultados estão à vista. <br />Quando um cineasta do terceiro mundo (normalmente América latina ou alguma Ásia mas nunca de África) vai parar a Hollywood, parece que a esgrima é outra: é mostrar não que se é diferente e especial mas que se é igual ou tão bom como. Iñarritu e Cuaron estão no topo da lista, seguidos por Salles. Este filme é uma espécie de sopa da pedra. Tem tudo para parecer genuíno aos olhos dos americanos, e tudo para parecer hollywoodesco aos olhos dos mexicanos. É uma festa, porque fica toda a gente contente. E como a história é uma desgraça pegada, até parece uma coisa séria. Vai ganhar o Óscar, até porque com a conversa do muro do Trump, um primeiro "melhor filme" em espanhol é tudo o que o planeta precisa. Hashtag também eu!
Continuar a ler

Memórias da infância

Paulo B.

Se o cinema é memória, este filme é uma viagem pelas memórias do realizador Alfonso Cuarón, nascido na cidade do México, em 1961. <br />O enredo decorre nesta cidade em 1970/ 1971. A casa abastada e os seus empregados de origem indígena, as crianças que deambulam pela casa fazendo as suas birras, o casal burguês. Veio-me à memória um outro filme, a curta-metragem de Miguel Gomes, “Inventário de Natal”. Embora muito diferentes um do outro na temática e na imagem, a reconstituição que ambos fazem de uma parte da sua infância e adolescência, que por acaso também coincide cronologicamente com a minha, é soberba. Afinal a infância não difere muito em diferentes partes do mundo. Só por isto vale a pena ver o filme, mas não só. <br />O realizador convoca eventos ocorridos na cidade do México em 1971 e envolve-os com muita mestria nos episódios das personagens, criando momentos de maior tensão. O filme agarra os espetadores e comove-os, em alguns casos até às lágrimas, porque não? até ao epílogo redentor. <br />Em termos estéticos, a fotografia a preto-e-branco, a parte sonora e a reconstituição rigorosa dos décors da época, resultam muito bem. <br />Gostei muito.
Continuar a ler

Roma

Helder Costa Almeida

É realmente um FILME ÉPICO, ENORME. O som, a imagem a preto e branco, a ACTRIZ que representa a Cleo (sem menosprezo por todos os outros, adultos e crianças esplêndidas. O som, no pequeno GRANDE IDEAL, é uma agradável surpresa. O ruído do mar quando as crianças estão dentro de água, o espectador "sente" que está junto delas. E o tremor de terra?... A NÃO PERDER.
Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!