Cinecartaz

Pub

Chama-me pelo Teu Nome

Título original:
Call Me by Your Name
De:
Luca Guadagnino
Com:
Armie Hammer, Timothée Chalamet, Michael Stuhlbarg, Amira Casar, Esther Garrel
Género:
Drama, Romance
Classificação:
M/14
Outros dados:
EUA/BRA/ITA/FRA, 2017, Cores, 132 min.

Verão de 1983. Elio, de 17 anos, vive com a família em Itália, numa bela mansão do século XVII. O pai, um professor de arqueologia de renome, convida Oliver, um norte-americano de 24 anos, a passar alguns meses em sua casa, para o ajudar num projecto. Extraordinariamente inteligente, culto e educado, Elio é também um rapaz tímido e pouco preparado para a vida, que pouco tem em comum com a personalidade exuberante de Oliver. Apesar disso, à medida que o tempo vai passando e se vão conhecendo mais profundamente, uma atracção difícil de ignorar surge entre os dois…
Com argumento de James Ivory (responsável pela realização de "Quarto com Vista sobre a Cidade", "Regresso a Howards End" ou "Os Despojos do Dia") e realização de Luca Guadagnino, um filme dramático sobre o amor e a descoberta da sexualidade. Inspira-se na obra com o mesmo nome escrita pelo italiano de origem egípcia André Aciman. Estreado no Festival de Cinema de Sundance (EUA), "Chama-me pelo Teu Nome" é a última parte da trilogia "Desejo", de que também fazem parte os filmes de Guadagnino "Eu Sou o Amor" (2009) e "Mergulho Profundo" (2015). Os actores Timothée Chalamet, Armie Hammer, Michael Stuhlbarg, Amira Casar, Esther Garrel e Victoire Du Bois dão vida às personagens. PÚBLICO
 

Votos dos Leitores

Média da votação dos leitores, num total de 69 votos (carregue na posição pretendida para votar)

Votos dos Críticos

Envie-nos a sua crítica

Para submeter o seu comentário tem que ter javascript activo no seu browser.

Pedimos que respeite os nossos Critérios de Publicação. Reservamo-nos o direito a não publicar quaisquer comentários inadequados ou ofensivos. O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados. Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.

Críticas dos nossos leitores