O Segredo dos Seus Olhos

Votos do leitores
média de votos
Thriller, Drama 127 min 2010 M/16 20/05/2010

Título Original

El Secreto de Sus Ojos

Sinopse

Um crime ocorrido há 25 anos ficou indelevelmente marcado na vida e na mente de Benjamin Esposito (Ricardo Darín). Hoje, reformado do departamento da polícia e sem saber muito bem o que fazer aos seus dias vazios, ele é um homem cansado. Para preencher a sua vida com algo mais que solidão, Esposito decide escrever um romance a relatar os eventos que o ligaram a esse crime e como tudo o que ocorreu posteriormente foi alterado por esse trágico acontecimento. Agora, ao relembrar as circunstâncias do que aconteceu, avaliando todos os factores, todas as causas e todas as consequências, vai descobrir uma maneira de reescrever o passado e, quem sabe, o próprio futuro. <br />Realizado por Juan José Campanella ("El Mismo Amor, La Misma Lluvia ", "O Filho da Noiva", e das conhecidas séries Lei e Ordem e House), é um "thriller" sobre o amor e a vingança e como pequenas resoluções podem alterar a sequência de uma vida inteira.<br />Filme vencedor do Óscar de melhor filme estrangeiro 2010. PÚBLICO

Realizado por

Juan José Campanella

Elenco

Pablo Rago, Soledad Villamil, Ricardo Darín

Críticas Ípsilon

O Segredo dos Seus Olhos

Mário Jorge Torres

Ler mais

Já não se fazem filmes assim

Jorge Mourinha

Ler mais

Críticas dos leitores

CAREN

Excelente filme!!! Não me canso de assistir, fiquei com ele na cabeça por uma semana depois de ter visto!

Continuar a ler

Alexandre

O filme tem a sutileza do silêncio, do olhar, da palavra não dita, do sentimento não vivido. Além disso me lembrou histórias do Edgar Alan Poe!<br /><br />Tem uma crítica sobre isso em <br />www.artigosdecinema.blogspot.com/2013/12/o-segredo-dos-seus-olhos-el-secreto-de.html

Continuar a ler

AC

Um filme extraordinário que nos envolve desde o primeiro minuto. O retrato de um homem que perdeu de forma trágica quem amava e de outro que nunca teve coragem de assumir a sua verdadeira paixão. Excelentes actores, excelente realização, excelente argumento, final arrebatador, um regalo para os olhos. Saiam de casa e passem 2 maravilhosas horas. O Cinema, tal como a história deste filme, também pode ser, e é, uma paixão. P.S. - MJT atribuir 2 estrelas a um filme desta qualidade é de todo irracional. Não liguem a esta "avaliação" e vejam e revejam....

Continuar a ler

Vasco Guerra

Acabei de ver "O Segredo dos Seus Olhos" e começo por dizer que é o melhor filme que vi nos últimos tempos. Cheguei a casa e decidi ir ver as críticas ao filme no Cinecartaz. Podemos concordar ou não com a opinião dos críticos, mas esperamos que seja bem fundamentada. Ambos os críticos d'O Público sentem algum desconcerto por este filme ter ganho o Óscar de melhor filme estrangeiro em detrimento de "O Laço Branco". Jorge Mourinha diz isso claramente, partindo depois para uma análise sem preconceitos e interessante do filme. Classifica-o com 3*. Já Mário Jorge Torres diz muito pouco sobre o filme, atribuindo-lhe 2*. Numa escala que vai até 5 estrelas, essa classificação é negativa (!). Ora, MJT pode perfeitamente considerar que "O segredo dos seus olhos" não seja uma obra-prima e seja pior que "O Laço Branco", mas custa-me a acreditar que o considere pior do que a maioria dos filmes que por aí andam. Isso obviamente não é verdade e ou MFT corre todos os filmes a 0 ou 1 estrela, ou a sua classificação na faz nenhum sentido. Espero que seja mais objectivo no futuro e de maior utilidade para os leitores d’O Público". Sobre o filme não direi muito, até porque outras críticas não faltam. A história é muito boa e está bem contada. O filme agarra o espectador por isso mesmo, não por qualquer grande complicação do enredo ou desafio intelectual só ao alcance de alguns iluminados. As músicas apelam subliminarmente para o requiem de Mozart e para o adágio de Barber, por exemplo, em mais uma prova da inteligência do filme. A ver, definitivamente.

Continuar a ler

Vasco Guerra

Acabei de ver "O Segredo dos Seus Olhos" e começo por dizer que é o melhor filme que vi nos últimos tempos. Cheguei a casa e decidi ir ver as críticas ao filme no Cinecartaz. Podemos concordar ou não com a opinião dos críticos, mas esperamos que seja bem fundamentada. Ambos os críticos d'O Público sentem algum desconcerto por este filme ter ganho o Óscar de melhor filme estrangeiro em detrimento de "O Laço Branco". Jorge Mourinha diz isso claramente, partindo depois para uma análise sem preconceitos e interessante do filme. Classifica-o com 3*. Já Mário Jorge Torres diz muito pouco sobre o filme, atribuindo-lhe 2*. Numa escala que vai até 5 estrelas, essa classificação é negativa (!). Ora, MJT pode perfeitamente considerar que "O segredo dos seus olhos" não seja uma obra-prima e seja pior que "O Laço Branco", mas custa-me a acreditar que o considere pior do que a maioria dos filmes que por aí andam. Isso obviamente não é verdade e ou MFT corre todos os filmes a 0 ou 1 estrela, ou a sua classificação na faz nenhum sentido. Espero que seja mais objectivo no futuro e de maior utilidade para os leitores d’O Público". Sobre o filme não direi muito, até porque outras críticas não faltam. A história é muito boa e está bem contada. O filme agarra o espectador por isso mesmo, não por qualquer grande complicação do enredo ou desafio intelectual só ao alcance de alguns iluminados. As músicas apelam subliminarmente para o requiem de Mozart e para o adágio de Barber, por exemplo, em mais uma prova da inteligência do filme. A ver, definitivamente.

Continuar a ler

OL

____Filme de muita qualidade, com final supreendente.

Continuar a ler

Maria

Comédia, drama, suspense, romance… tudo na proporção certa!!!! Um excelente filme com personagens belíssimas!!!

Continuar a ler

AAT

Grande filme.... 2 dias depois de o ter visto ainda penso nas personagens, enredo e que banda sonora fantástica. Um "must" para quem gosta de Cinema.

Continuar a ler

Nazaré

A Academia de Hollywood dá todos os anos um Óscar para o melhor filme estrangeiro. É a mesma coisa que dizer que só assim um filme de fora dos States é premiado como filme. E, ao vermos o vencedor de 2009 “O Segredo dos Seus Olhos”, bem se percebe como este paternalismo é absurdo, isto para não falar do ridículo que é os todo-poderosos de Hollywood a precisarem de proteccionismos. Não tenho dúvidas em considerar esta a melhor produção de 2009. Sem ter visto tudo, obviamente, e foi um ano aliás algo pobre por bandas dos States, mas o que importa é que, melhor que isto seria praticamente impossível. Nem vale a pena andar pelos aspectos técnicos ou artísticos, que aliás estão à altura do riquíssimo argumento: vale primeiro que tudo por uma narrativa densa mas perfeitamente inteligível, que se espraia por mais de duas horas sem que alguém pense no relógio (digo eu); onde cabem momentos de delicioso humor numa trama histórico-política que marcou violentamente a Argentina em tempos não muito recuados; onde uma paixão autêntica se deixa reprimir pelas tenebrosas circunstâncias dum assassinato, e respectiva investigação sempre votada ao desespero; onde, enfim, personagens carregadas de significado nos fazem viver as imagens de tal maneira, que não as vemos numa tela a 2 dimensões, presenciamos. Eis, pois, uma obra-prima que nos lembra ser o cinema uma arte de artes que, nas mãos de quem tem este talento, pode maravilhar e também entreter. Uma arte que exige: em quem a concebe e executa, a capacidade de dizer muita coisa, para a qual não há tempo de verbalizar, através dos pormenores; em quem a vê, a sensibilidade para traduzi-los nesse dizer. Basta ver como o público se deixa estar sentado a olhar, longos segundos, para o ecrã onde vão desenrolando os genéricos finais: é um momento colectivo de prolongamento do sabor, de reflexão, de rendição, coisa que poucos filmes chegam a merecer. E ao fim de duas horas de fita! Sim, há os olhos das personagens, as interrogações sobre os olhares, sobre a verdade que se possa vislumbrar neles. Neste filme há muitos olhares, muitas interrogações. Mas também mostra muitas prisões: não só os cárceres que são visitados (poucos), mas as prisões a que cada um está submetido: as do desejo, da bebida, do orgulho, do exílio, da vingança, do estatuto, da violência mortal. Todos conhecem a sua própria prisão, o que (n)os distingue é a maneira de procurar a libertação. E há de tudo um pouco, neste grande filme!

Continuar a ler

Nazaré

A Academia de Hollywood dá todos os anos um Óscar para o melhor filme estrangeiro. É a mesma coisa que dizer que só assim um filme de fora dos States é premiado como filme. E, ao vermos o vencedor de 2009 “O Segredo dos Seus Olhos”, bem se percebe como este paternalismo é absurdo, isto para não falar do ridículo que é os todo-poderosos de Hollywood a precisarem de proteccionismos. Não tenho dúvidas em considerar esta a melhor produção de 2009. Sem ter visto tudo, obviamente, e foi um ano aliás algo pobre por bandas dos States, mas o que importa é que, melhor que isto seria praticamente impossível. Nem vale a pena andar pelos aspectos técnicos ou artísticos, que aliás estão à altura do riquíssimo argumento: vale primeiro que tudo por uma narrativa densa mas perfeitamente inteligível, que se espraia por mais de duas horas sem que alguém pense no relógio (digo eu); onde cabem momentos de delicioso humor numa trama histórico-política que marcou violentamente a Argentina em tempos não muito recuados; onde uma paixão autêntica se deixa reprimir pelas tenebrosas circunstâncias dum assassinato, e respectiva investigação sempre votada ao desespero; onde, enfim, personagens carregadas de significado nos fazem viver as imagens de tal maneira, que não as vemos numa tela a 2 dimensões, presenciamos. Eis, pois, uma obra-prima que nos lembra ser o cinema uma arte de artes que, nas mãos de quem tem este talento, pode maravilhar e também entreter. Uma arte que exige: em quem a concebe e executa, a capacidade de dizer muita coisa, para a qual não há tempo de verbalizar, através dos pormenores; em quem a vê, a sensibilidade para traduzi-los nesse dizer. Basta ver como o público se deixa estar sentado a olhar, longos segundos, para o ecrã onde vão desenrolando os genéricos finais: é um momento colectivo de prolongamento do sabor, de reflexão, de rendição, coisa que poucos filmes chegam a merecer. E ao fim de duas horas de fita! Sim, há os olhos das personagens, as interrogações sobre os olhares, sobre a verdade que se possa vislumbrar neles. Neste filme há muitos olhares, muitas interrogações. Mas também mostra muitas prisões: não só os cárceres que são visitados (poucos), mas as prisões a que cada um está submetido: as do desejo, da bebida, do orgulho, do exílio, da vingança, do estatuto, da violência mortal. Todos conhecem a sua própria prisão, o que (n)os distingue é a maneira de procurar a libertação. E há de tudo um pouco, neste grande filme!

Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!