Cinecartaz

V. Guerra

Vuvu foi nu...

Tinha-me comprometido, a não ver mais nenhum filme de João César Monteiro (J.C.M.) depois do atrevimento de "Branca de Neve". Mas, como o homem morreu e os críticos até davam 4 e 5 estrelas, tive um gesto patriótico. Puro masoquismo! Brejeirices de revista e lugares comuns cinematográficos. Destaco apenas duas frases: quando a mulher-a-dias, comunista, lhe pergunta se o poema que acaba de dizer "é do camarada Saramago" e Vuvu responde que é do "cavalheiro Camões" e sobre o que é ser português, que adapto: "não se nasce subsidiado, faz-se subsidiado". Não admira que na Europa "artística" achem tanta graça a alguns realizadores portugueses que filmam para o próprio umbigo e se estão nas tintas para o público que lhes paga com os impostos. Acabo com uma frase que ouvi de J.C.M. à saída da sua anterior estreia "Que se fodam os críticos..."

Publicada a 26-06-2003 por V. Guerra