Cinecartaz

picalima

Genial hoje, um clássico amanhã

De todos os filmes a concurso nos Oscares deste ano (valha isso o que valer) este é seguramente aquele que irá envelhecer melhor. Como praticamente tudo o que Paul Thomas Anderson toca, tem todos os ingredientes para se tornar um clássico: direcção irrepreensível, argumento verdadeiramente novo (que raro isso é hoje em dia!) e interpretações absolutamente notáveis. Que a própria indústria não o tenha sabido reconhecer é apenas o último mistério de tantos que vão contribuindo para a derrocada da sua própria credibilidade... Já agora, que em LIsboa se tenha deslocado este flme para as salas pequenas, deixando as principais para os compósitos de clichés do costume, também não é muito dignificante para certos cinemas.
Vi este filme numa sala pequena do Munumental e senti-me traído. Que outros cinemas, assumidamente comerciais, o façam, compreendo. Mas que o faça uma sala que assumidamente se quer afirmar por uma vocação mais cinéfila, por assim dizer, em detrimento de um cinema mais comercial, custa um bocado. Parece que não vai havendo mesmo espaço nas grandes salas para os grandes filmes...

Publicada a 05-05-2018 por picalima