Cinecartaz

Nazaré

Uma história bonita, não merecia que a esticassem tanto

A meio da sessão (num daqueles intervalos metidos à papo-seco), a minha impressão era a dum filme bastante chato. Não andava nem desandava, até que Viola Davis voltou à cena e as coisas ganharam ritmo e intensidade. Julgado como um todo, percebe-se que precisavam de esticar um grande bocado para dar uma longa-metragem, mas toca de meter uma história dentro da história — não tenho nada contra o estupendo papel de Max von Sydow, mas todo aquele longo deambular à procura do homem das calças pardas em Nova Iorque é fastidioso.

Porém, se julgado pela impressão final que deixa, de invulgar leveza e paz, é um filme estupendo: a antepenúltima cena, onde finalmente se dá algum espaço a Sandra Bullock, é soberba. E não podemos ficar indiferentes ao expressivo protagonista (Thomas Morgan), que consegue ser um miúdo clinicamente "especial" com a maior convicção. É uma fita recheada de grandes actores, e não tenho dúvidas que constitui dos mais emotivos memoriais ao trauma colectivo em Nova Iorque, provocado pelo ataque de 11 de Setembro, que alguma vez se produziu.

Publicada a 17-03-2012 por Nazaré