Samaritana

Votos do leitores
média de votos
Drama 95 min 2004 M/16 22/06/2006

Título Original

Samaria

Sinopse

Yeo-Jin é uma jovem adolescente que vive com o seu pai, viúvo. A sua melhor amiga, Jae-Young, é prostituta. Yeo-Jin ajuda-a marcando os encontros com os clientes e vigiando a policia. Ambas mantêm o sonho de juntar dinheiro e fugir para a Europa. Mas um dia, uma distracção fata de Yeo-Jin faz com que Jae-Young seja apanhada pela policia, resultando daí um acidente com trágicas consequências. "Samaritana" é realizado por Kim Ki Duk. <p/>PUBLICO.PT

Realizado por

Kim Ki-duk

Elenco

Lee Eol, Kwak Ji-min, Han Yeo-reum

Críticas Ípsilon

Samaritana

Vasco Câmara

Ler mais

Samaritana

Jorge Mourinha

Ler mais

Críticas dos leitores

O desejo humano e a cura emocional

Rita Almeida (http://cinerama.blogs.sapo.pt/)

“Samaria” foi filmado entre “Primavera, Verão, Outono, Inverno e... Primavera” (2003) e “Ferro 3” (2004)), duas obras-primas do realizador sul-coreano Kim Ki-duk. Duas adolescentes, Yeo-jin (Kwak Ji-min) e Jae-yeong (Seo Min-jeong), estão a juntar dinheiro para irem para a Europa. Enquanto Jae-yeong se prostitui com homens mais velhos que conhece na Internet, Yeo-jin faz a gestão da agenda de Jae-yeong e do dinheiro, além de vigiar a aproximação de polícia perto do motel onde Jae-yeong tem os seus encontros. Jae-yeong vê-se como uma moderna incarnação de Vasumitra, uma lendária prostituta que converteu homens ao budismo através do sexo. Yeo-jin fica chocada com o divertimento de Jae-yeong nestes encontros, e impede-a de voltar a perguntar aos clientes o que eles fazem na vida ou qualquer outra conversa que a aproxime deles e, consequentemente, que a afaste dela num misto de vergonha, culpa e ciúme.<BR/><BR/>A tragédia destas duas vidas paira, inevitável e irreversível, em cada cena, mas, no intuito de fazer desta mais uma bela experiência cinematográfica, prefiro não contar mais. Mas o Urso de Prata de Melhor Realizador no 54.º Festival Internacional de Cinema de Berlim parece-me bastante merecido.<BR/><BR/>Kim Ki-duk impõe um ritmo quase sufocante nas revelações, nos sofrimentos e nas angústias de vidas que se rompem sem misericórdia. Neste drama está também envolvido o pai de Yeo-jin (Lee Eol), um detective da polícia viúvo, angustiado pela impotência para proteger a própria filha.<BR/><BR/>Kim Ki-duk não mostra a prostituição infantil de um ponto de vista dogmático ou racional. É na vertente emocional que Kim Ki-duk nos abre os olhos a este grave problema social. “Samaria” é sobre a procura da redenção, da busca de um perdão dentro de nós mesmos, da cura espiritual, do sexo como fonte de felicidade e da incessante luta por emendar erros e impor a justiça onde ela falha.<BR/><BR/>“Samaria” divide-se em três partes: "Vasumitra," "Samaria," e "Sonata." Cada parte reflecte o ponto de vista de uma personagem: Jae-yeong, Yeo-jin e Yeong-ki, o pai de Yeo-jin, respectivamente, a primeira vivendo num mundo onde tudo é bom, a segunda numa dura realidade e o terceiro perdido num limbo de incompreensão.<BR/><BR/>Como os outros filmes de Kim Ki-duk, também “Samaria” é um poema cheio de metáforas. A pedra une em si todas contradições: é ela que recebe a queda, é arma, barreira, libertação e túmulo. Os banhos públicos onde as duas jovens se lavam, o duche onde Yeong-ki se refugia, o ar fresco do campo são os veículos de limpeza, mais espiritual que física.<BR/><BR/>Kim Ki-duk aborda o bem e mal com a sua inerente fusão, sem julgar, de uma forma crua e sem compromissos, mas também emocional e comovente. As cores do Outono dão o tom melancólico, o surrealismo dos sonhos reflecte o espírito torturado de personagens complexas, consistentes e credíveis (em três excelentes interpretações). Só Kim Ki-duk consegue dar tamanha beleza, e até inocência, a uma história negra sobre os efeitos adversos do desejo humano. Nota: 8/10.

Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!