Folhas Caídas

Imagem Cartaz Filme
Foto
Votos do leitores
média de votos
Imagem Cartaz Filme
Foto
Votos do leitores
média de votos
Comédia Dramática 81 min 2023 M/12 11/01/2024 ALE, FIN

Título Original

Sinopse

Ansa e Holappa (Alma Pöysti e Jussi Vatanen, respectivamente) são duas pessoas solitárias que, certa noite, se conhecem em Helsínquia (Finlândia). Apesar da timidez de ambos, surge entre eles uma química tão forte que decidem combinar um próximo encontro. Mas as coisas complicam-se quando, devido a uma série de equívocos, perdem o rasto um do outro.

Prémio do Júri no Festival de Cannes e considerado o melhor filme de 2023 pela revista Time e pela Federação Internacional de Críticos de Cinema, um drama que tem assinatura do aclamado realizador finlandês Aki Kaurismäki, que há mais de 30 anos vive, metade do ano, em Viana do Castelo.

Folhas Caídas completa a tetralogia sobre o proletariado que iniciou com os filmes Sombras no Paraíso (1986), Ariel (1988) e A Rapariga da Fábrica de Fósforos (1990). PÚBLICO

Críticas dos leitores

Folhas caídas - rep

José Jacinto Santos

Reconheço que apesar de gostar muito de cinema ainda não conhecia Akis Kauriskami. Resumindo devo dizer que descobri um MESTRE do cinema. Um realizador que não tem receio de ser criativo. De olhar para o cinema como uma arte. A dada altura dei por mim maravilhado com as emoções que se tem quando se vê David Lynch ou Tarkowsky pela primeira vez.

Continuar a ler

Folhas caídas

José Jacinto Santos

Reconheço que apesar de gostar muito de cinema ainda não conhecia Akis Kauriskami. Resumindo devo dizer que descobri um MESTRE do cinema. Um realizador que não tem receio de ser criativo. De olhar para o cinema como uma arte. A dada altura dei por mim maravilhado com as emoções que se tem quando se vê David Lynch ou Tarkowsky pela primeira vez.

Continuar a ler

Para adormecer

Teresa Barata

Não consigo perceber a excecionalidade apregoada pela crítica. É um filme deprimente, parado, banal, com atores e diálogos medianos (e quase inexistentes), uma ação linear, uma fotografia normal e sem interesse. Ainda bem que é curto!

Continuar a ler

Folhas caidas

Isabel caldas

Um filme que nos mostra a vida dos operários que, apesar de se tratar da rica e maravilhosa Finlândia nos dá a conhecer que o capitalismo não tem pátria. Maravilhoso

Continuar a ler

Folhas caídas

Paulo Jorge Martins de Carvalho

Profundo e realista. A vida dos que trabalham intensamente só para sobreviver e para tentarem poder amar e ser amados. Excelente filme.

Continuar a ler

4 estrelas

José Miguel Costa

Quem, tal como eu, idolatrar o realizador finlandês Aki Kaurismäki não irá decepcionar-se com o seu novo filme, "Folhas Caídas" (vencedor do Prémio do Júri no Festival de Cannes). Ou não fosse a retro love story tragi-cómica (quase anti-Hollywoodesca) com que nos deleita trespassada pelos típicos traços do surrelista universo kaurismakiäno, nomeadamente, a narrativa (filmada em formato 35 mm e câmara fixa) impregnada por um seco humor non sense; a realização do género vintage, utilizando luz difusa e artificial, bem como uma paleta de cores saturadas (resultando numa ambiência sombria, desesperançosa e melancólica); grandes planos de inexpressivos, e quase inanimados, personagens feios/rudes (simultaneamente, poéticos e sensuais), que (sobre)vivem em inóspitos e pobres contextos urbanos; e a inevitável banda sonora kitsch, que "de tão má é boa".

O enredo que, como é igualmente da praxe, não perde uma oportunidade para criticar (ironicamente) o selvagem Sistema neoliberal que reduz os seres humanos a destroços, acompanha os (des)encontros de dois solitários e amorfos proletários (precários) "descamisados" que, após se conhecerem num bar de karaoke, encetam uma sui generis relação afectiva.

Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!