Astérix e Obélix: Ao Serviço de Sua Majestade

Votos do leitores
média de votos
Comédia 110 min 2012 M/6 18/10/2012

Título Original

Astérix et Obélix: Au Service de Sa Majesté

Sinopse

50 a.C.. Depois de conquistar o Egipto, a Hispânia e (quase toda) a Gália, Júlio César (Fabrice Luchini), o grande imperador romano, decide avançar com as suas tropas e invadir a Britânia. A vitória é rápida e total. Ou melhor, quase total. Para seu descontentamento, uma pequena aldeia bretã consegue resistir. Mas as forças bretãs enfraquecem a cada dia que passa. É então que Cordélia (Catherine Deneuve), a grande rainha, decide enviar Jolitorax (Vincent Lacoste) à Gália onde, segundo a lenda, vive o mais irredutível e temeroso povo. Ao mesmo tempo, na aldeia gaulesa em questão, Astérix e Obélix (Edouard Baer e Gérard Depardieu) debatem-se com um grave problema. É que o chefe Abracourcix confiou-lhes uma tarefa medonha: transformar Atrevidix (Vincent Lacoste), o seu preguiçoso e imaturo sobrinho, num homem responsável e capaz de olhar para além do seu próprio umbigo. Quando Jolitorax chega e descreve a situação da sua aldeia, os gauleses oferecem-lhe um barril da famosa poção mágica que lhes dará uma força sobre-humana e a protecção de Astérix e Obélix no seu regresso a casa. Porém, infelizmente para todos, Justforkix também faz parte da escolta até à Britânia...<br />Inspirado nas divertidas personagens criadas pelos franceses René Goscinny e Albert Uderzo, e realizado por Laurent Tirard ("O Menino Nicolau"), este é o quarto filme da série em acção real, depois de "Astérix e Obélix Contra César" (1999), "Astérix e Obélix: Missão Cleópatra", (2002), e "Astérix nos Jogos Olímpicos" (2008). PÚBLICO

Realizado por

Laurent Tirard

Elenco

Guillaume Gallienne, Edouard Baer, Gérard Depardieu

Críticas Ípsilon

Não existem críticas dos nossos críticos.

Críticas dos leitores

Rui Pedrosa Franco

Ora aqui está uma fita que, do princípio ao fim, é diversão para todos. Bem filmado, bem interpretado, com graças sempre presentes... Apenas o excessivo anacronismo da sociedade "bretã" (tudo parece do séc. XIX) e a estúpida confusão entre Bretões e... Escoceses, deixa mancha num filme que tinha tudo para ser perfeito. Mas, verdade seja dita que tudo o resto nos faz esquecer alegremente os "pormenores" menos bons.<br /><br />Uma alegria! :)

Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!