Ao Encontro de Mr. Banks

Votos do leitores
média de votos
Drama, Biografia 125 min 2013 M/12 30/01/2014

Título Original

Saving Mr. Banks

Sinopse

<p> Todos conhecem Mary Poppins, a simpática personagem com o mesmo nome que, com os seus encantamentos, agitou o quotidiano da família Banks, tornando-o verdadeiramente "supercalifragilisticexpialidocious". O que quase ninguém sabe é a extraordinária história que está por detrás da produção do filme. Aqui se conta como Walt Disney, numa tentativa de cumprir uma promessa feita às suas filhas, lutou durante duas décadas para conseguir os direitos de autor sobre a obra literária. Depois de muitas negociações e algumas dificuldades de entendimento com a escritora P. L. Travers, Disney conseguiu conquistar o seu coração e transformar aquela história numa comédia musical que viria a tornar-se um dos clássicos mais amados da história do cinema. Realizado em 1964 e tendo como protagonista a actriz Julie Andrews, o filme acabou por receber 13 nomeações da Academia de Hollywood e conquistar cinco Óscares nas categorias de melhor actriz, efeitos visuais, montagem, banda sonora original e canção original.<br /> Produzido pela Walt Disney Pictures, “Ao Encontro de Mr. Banks” conta com a realização de John Lee Hancock, segundo um argumento de Kelly Marcel e Sue Smith. No elenco, os actores Emma Thompson, Tom Hanks, Colin Farrell, Paul Giamatti, Jason Schwartzman e Bradley Whitford, entre outros.PÚBLICO</p>

Realizado por

John Lee Hancock

Elenco

Emma Thompson, Annie Rose Buckley, Tom Hanks

Críticas Ípsilon

A classe de Emma

Jorge Mourinha

Ler mais

Críticas dos leitores

Nota maxíma

Carlos Marques

Fabuloso!! Um dos melhores filmes que já vi .

Continuar a ler

Psicologia Disney-Style...

Pedro Brás Marques

A Magia de Disney… <p> Se houve alguém que, no século XX, soube usar os sonhos e desejos infantis – habitassem eles em crianças ou em adultos – foi Walt Disney. Muitos chamaram-lhe “magia”, outros apenas “negócio”, mas o mais acertado será chamar-lhe “The Disney Touch” (em inglês, porque, como canta a Manuel Azevedo, “A língua inglesa fica sempre bem e nunca atraiçoa ninguém.….”)</p><p> A história deste “Ao Encontro de Mr. Banks” centra-se nas negociações de cedência de direitos entre a escritora PL Travers e a Disney, em concreto, a do livro “Mary Poppins”. O que seria um mero ajuste de pormenores transforma-se numa verdadeira odisseia em que, dum lado, temos a escritora, cheia de preconceitos e má disposição e, do outro, Walt Disney a tentar usar de todo o charme para conseguir o seu objectivo. O problema é que toda a negatividade que transborda de PL Travers tem uma origem muito concreta: a sua infância. Foi aí que ela perdeu a sua figura de referência, o pai. “Mary Poppins” acaba por ser o registo semi-fantasioso dessa etapa da sua vida, em que precisou de alguém que salvasse a sua família. A amargura que resultou dessa incapacidade reflectiu-se, portanto, ao longo da sua vida. Mas, eis que chega o mago Walt, que muito lentamente e de forma por vezes inconsciente, consegue fazer com que ela se liberte dessa âncora psicológica que a impedia de zarpar para a fruição do mundo que a rodeava. </p><p> Emma Thompson encarna soberbamente PL Travers, transmitindo de forma notável a angústia e a tristeza que perpassa pela sua vida. Ela é a coluna em que todo o filme assenta. Os actores secundários não lhe conseguem ofuscar o brilho da interpretação, apesar de estarmos a falar de Tom Hanks, Colin Farrel, Kathy Baker e, especialmente, do extraordinário Paul Giamatti. A realização é banal, o que só espanta por não ser pior, tendo em vista que John Lee Hancock tem no curriculum essa “pérola” chamada “Um sonho possível”, que há dois anos deu o Óscar de Melhor Actriz Principal a Sandra Bullock… </p><p> Um filme com um corte à medida da Disney, que tudo resolve e tudo branqueia, esquecendo que PL Travers não era o ser assexuado que se passeia no ecrã, mas antes alguém que assumiu a sua bissexualidade e que não só não achou piada nenhuma ao filme, como proibiu posteriores adaptações dos seus livros. Mas, desde quando é que a verdade histórica deve impedir um ‘happy end’?... </p>

Continuar a ler

Muito bom!

Muito Bom

Obra bem construída e com humor incluído. 5 estrelas.

Continuar a ler

Os críticos !!!!!

Carvalho

Nunca vou ao cinema com base na opinião dos críticos. <br />Ainda bem! <br />Vi o filme, gostei. Serve para objectivo de ir ao cinema: Distrair. <br />Bons actores, uma história interessante, não há tiros, violência, droga, prostitutas, linguagem obscena, enfim, duas estrelas para o Sr. J. Mourinha.

Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!