A Advogada

Votos do leitores
média de votos
Drama 107 min 2010 M/12 25/10/2012

Título Original

Conviction

Sinopse

Massachusetts, 1980. Kenneth Waters (Kenny Waters) é condenado a prisão perpétua pelo assassínio de uma mulher, sem possibilidade de liberdade condicional. O caso contra ele não deixava margem para dúvidas: várias provas circunstanciais e duas testemunhas. Com um registo criminal manchado por vários pequenos delitos, todos o consideravam uma causa perdida. Todos, excepto Betty Anne (Hilary Swank), a sua irmã mais nova, que sempre acreditou na sua inocência. Com uma infância problemática - entre os maus-tratos e a negligência -, os dois irmãos passaram por várias casas de acolhimento sem, sequer, terminar os estudos secundários. Quando Kenny foi condenado, Betty Anne, mãe solteira de dois filhos, revoltada com tamanha injustiça, promete libertá-lo a qualquer custo. Para isso passa vários anos da sua vida focada nos estudos, terminando o liceu e o curso de direito.<br />Realizado por Tony Goldwyn ("A Walk on the Moon", "Alguém Como Tu"), um filme dramático baseado na extraordinária história verídica de uma mulher que sacrifica tudo para salvar o irmão de um sistema judicial decidido a condená-lo com provas que se vieram a revelar insuficientes. PÚBLICO

Realizado por

Tony Goldwyn

Elenco

Sam Rockwell, Hillary Swank, Minnie Driver

Críticas Ípsilon

Não existem críticas dos nossos críticos.

Críticas dos leitores

Ivo Miguel Barroso

<p>Filme impressionante sobre um caso de erro judiciário e de mau funcionamento da justiça (susceptíveis, aliás, no Direito português de, para além da responsabilidade penal (que existia no caso), existir responsabilidade civil extracontratual do Estado, por acto da função judicial (Lei n.º 67/2007).<br /><br />O Irmão de Betty Anne é condenado por dois crimes que não cometeu (homicídio e assalto à mão armada), tendo as testemunhas (suas antigas mulheres) sido objecto de coacção por parte das autoridades policiais.<br /><br />A sua irmã fez tudo ao seu alcance para o tirar da cadeira, convicta de que estava inocente: terminou o liceu; foi tirar o curso de Direito só para salvar o Irmão: uma advogada de um só cliente.... <br /><br />Quando finalmente acaba o curso e o estágio, ainda surgem complicações.<br />Mas também factores adjuvantes: uma colega de curso; um advogado auxiliar em recolha de provas; a prova de ADN, que iliba o irmão. <br /><br />Mas, entretanto, sacrifica tudo: o casamento; estar com os filhos, etc.<br /><br />A história verídica é bastante comovente.<br />Pelo meio, mantém sempre "suspense" em relação à inocência do Irmão. Mas esse é um elemento dramatúrgico do "argumento" apenas, que se duvida que tenha tido correspondência com a história real.<br /><br />Todavia, há dois dados que revelam a elevada improbabilidade desta história, apesar de verídica:<br />i) O mau funcionamento do sistema de justiça, o facto de o grupo sanguíneo do irmão ser igual ao do homicida, o facto de ele não ter mesmo cometido o crime;<br />O aproveitamento da fragilidade do arguido, para lhe infligir um dano. <br />ii) A dedicação da Irmã. Uma margem ínfima de pessoas sacrificaria a sua vida por alguém, mesmo familiar. <br /><br />Por isso, a história tem uma percentagem de probabilidade muitíssimo reduzida.<br />Talvez devesse haver um filme que nos ensinasse o contrário: que, em lugar de "convicção", nos ensinasse a questionar as nossas pré-compreensões, acerca de pessoas, acontecimentos. <br />Em minha opinião, a sabedoria de vida está mais aí do que na história narrada pelo filme. <br /><br />Quanto às actuações, espantosas actuações de Hillary Swank e de Sam Rockwell (que faz o papel do Irmão injustamente condenado). <br /><br />Ivo Miguel Barroso</p>

Continuar a ler

Cátia Oliveira

<p>Quando se fazem inúmeros filmes sem conteúdo ou contexto, "A Advogada" - que à partida parece ser apenas mais um filme - surpreende-nos pela sua história, pela transmissão de valores e princípios, e nos mostra que a perseverança é a mãe da conquista dos nossos objetivos.</p>

Continuar a ler

Fernando Pereira

É pena este filme poder passar despercebido. Não é um filme de ação, não é de ficção científica. Já se conhece o fim da história. E, no entanto, é um filme que, devido às interpretações, em particular de Rockwell, e à realização atinge uma intensidade dramática extraordinária. Um filme que nos prende, para sempre, à arte de contar histórias em cinema.

Continuar a ler

Germano Gomes

<p>Filme de grande intensidade com interpretações fantásticas. Achei a realização muito boa. Para ver filmes desta qualidade vale a pena ir ao cinema.</p>

Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!