Cinecartaz

J.F. Vieira Pinto

Em modo Cineclube. Mesmo assim...

Nuri Bilge Ceylan adquiriu o estatuto de cineasta “autor”, para se dar ao luxo de realizar esta “excelente” montagem deste “aceitável” – estou a ser otimista - filme.

Sejamos realistas. Em tudo que fazemos nesta vida, temos coisas boas e coisas menos boas. Em Cinema, é exatamente a mesma coisa. O cineasta faz filmes bons e outros menos bons. Agora, termos complacência com este “A Pereira Brava” não!

Cento e oitenta e oito minutos de vulgaridades que mesmo para espetadores de “cineclubes”, habituados a grandes “injeções”, não conseguem aguentar.

Recomenda-se “Sono de Inverno” e “Era Uma Vez na Anatólia” para “limpar” a imagem secante deste entediante filme, com uma excelente “montagem” ,e uma fotografia apenas “boa” nos dez minutos finais.

E é graças à montagem admirável, que passamos o tempo a “marinar” na espectativa de algo “completamente diferente” - como diriam os Monty Python, - que acabará por nunca chegar.
Muito pouco para um cineasta, cuja obra admiramos que tem aqui um trabalho (bem) menor (**)

Publicada a 27-05-2019 por J.F. Vieira Pinto