Cinecartaz

Nelson Faria

Self-made woman

Uma mulher que sobe na vida porque luta, apesar das dificuldades familiares e da origem de classe.

É um pouco um exemplo de concretização do "american dream", do "american wife of life", do princípio da "struggle for life".

Os antepassados de parte dos americanos actuais são europeus expulsos por motivos religiosos. Embora a América deste filme não seja a actual, a América de hoje continua a agir bem às adversidades. A economia americana, comparativamente à europeia, está robusta, hoje em 2016. A América age; a Europa reage sob a batuta alemã da sua liderança. Com um negro na Casa Branca. Isto é uma lição para o mundo.

Joy, figura real e não de ficção, é o modelo da acção da América.

Lawrence está muito bem. Receberá prémios vários pela seu trabalho - ela queixa-se que ganha menos que os homens, o que está mal, porque para trabalho superior deve, pelo menos, haver salário igual.

Vejam o último livro de Félix Ribeiro e confiram como poderá ser o futuro.

Isto não é a adulação da iniciativa privada; converte-se em a condenação da sujeição burocrática imposta pela Alemanha, do colete-de-forças alemão.

4 estrelas, em parte devido a Lawrence e ao seu trabalho.

Publicada a 15-01-2016 por Nelson Faria