Vidas Passadas

Imagem Cartaz Filme
Foto
Votos do leitores
média de votos
Imagem Cartaz Filme
Foto
Votos do leitores
média de votos
Romance, Drama 105 min 2023 M/12 08/02/2024 Coreia do Sul, EUA

Título Original


Nora nasceu na Coreia do Sul, onde viveu até aos 12 anos, quando os pais resolveram emigrar para o Canadá. Nessa altura, o que mais lhe custou foi deixar Hae Sung, o seu amigo mais próximo. 

Os anos passaram e ela mudou-se para Nova Iorque, onde é agora uma dramaturga de sucesso e vive feliz com Arthur, o seu marido americano. O amigo, por seu lado, manteve-se na Coreia, formou-se em engenharia mecânica e serviu algum tempo como militar. 

Um dia, através da internet, Nora e Hae Sung retomam o contacto. E quando, alguns anos depois, ele decide visitar Nova Iorque, os dois marcam um encontro. A resolução de se estarem juntos novamente será uma viagem ao passado que se vai revelar bastante dolorosa.

Estreado no Festival de Cinema de Sundance e nomeado para os Óscares de melhor filme e argumento original, esta reflexão semi-autobiográfica sobre o amor e o destino é escrita e realizada pela canadiana de origem sul-coreana Celine Song, que aqui se estreia em cinema. Greta Lee, Teo Yoo e John Magaro dão vida às personagens. PÚBLICO

Sessões

  • Castelo Branco

Críticas dos leitores

3 estrelas

José Miguel Costa

"Vidas Passadas", primeiro filme dirigido (e escrito) pela sulcoreana-canadiana Celine Song, chega às salas de cinema lusas com um currículo invejável (prémio do público no Festival de Sundance; seleção para competição no Festival de Berlim; nomeação para quatro Óscares e cinco Globos de Ouro).

Um melancólico e subtil/intimista drama romântico, inspirado na própria vida da realizadora, com uma minimalista história de base, aparentemente banal e destituída de grandes "explosões" (mas, "saturada" de cativantes diálogos líricos que fogem aos melodramáticos clichés característicos deste género cinematográfico), que reflecte sobre a possibilidade de um sentimento romântico "não alimentado" (ainda mais sendo este de natureza quase platónica) resistir à distância física e à tirania do tempo.

Somos confrontados com o breve reencontro de dois amigos de infância (interpretados com enorme sensibilidade e "química" pelos actores Teo Yoo e Greta Lee), em Nova Iorque, após 24 anos sem qualquer contacto físico (em consequência de Ela, entretanto casada com um americano, ter emigrado, conjuntamente com os pais, da Coreia do Sul - na qual Ele continuou a viver até ao presente - para o Canadá).

Este regresso ao passado também implica uma discussão subentendida sobre as temáticas identidade e multiculturalismo, o que, em abono da verdade, se revela o aspecto mais interessante do filme.

Continuar a ler

Dance First

Maria Soares

Uma abordagem muito original sobre um escritor excecional.

Continuar a ler

Emoção

Salete novaes

Lindo, romântico, verdadeiro.

Continuar a ler

Lindíssimo! 4*

Maria Amelia

Filme sobre a honestidade e as diferenças de sentir e viver, devido ao rumo que damos à nossa vida. Belíssimas interpretações e planos de Manhattan filmados desde Brooklyn, belíssimas. A banda sonora, os silêncios e as expressões das personagens, muito ao estilo Oriental, falam por si.

Não são precisas mais palavras, acho que a realizadora utilizou as suficientes!! Lindíssimo!!

Continuar a ler

Tempo perdido

Eduardo Almeida

A evitar!

Continuar a ler

Primoroso 4*

Paulo Graça Lobo

Uma história de amor infantil, seguida de separação. Os laços - fortes - que se estabelecem na aurora da vida e das marcas indeléveis que se agarram à memória.

Filme sobre a honestidade e a integridade do desejo, com belíssimas interpretações e planos de Manhattan filmados desde Brooklyn. Marcante!

Continuar a ler

Vidas passadas

Filipa Gomes

Aconselho... a quem aprecia filmes sem história, com cenas paradas de longos minutos, diálogos corriqueiros, tiradas de clichés, cenários e música vazios de sentido. Sinceramente, não gostei. Uma desilusão!

Continuar a ler

Vidas passadas

Armando Reis

As emoções contidas de dois amigos, jovens orientais que os acasos da vida separam aos doze anos. O filme sugere-nos que a vida é o que é determinada mais por acasos do que por vontades.

Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!