Um Dia Perfeito

Votos do leitores
média de votos
Drama 106 min 2015 M/12 09/06/2016 ESP

Título Original

A Perfect Day

Sinopse

<div>Uma equipa de cooperantes de uma ONG encontra-se algures nos Balcãs, imediatamente após a Guerra da Bósnia. Os experientes Mambrú e B, e os seus companheiros, deparam-se com um cadáver no único poço de água potável de uma aldeia. No meio do caos causado pelo conflito, encontrar uma corda para que o corpo possa ser retirado, de modo a que a população possa voltar a ter abastecimento de água, torna-se uma missão bastante mais complicada do que seria de esperar. Pelo caminho, vão deparar-se com todo o tipo de pessoas, umas mais bem-intencionadas do que outras: militares, burocratas, milícias, bandidos...</div><div>Adaptação do romance "Dejarse Llover", de Paula Farias, uma tragicomédia com realização do espanhol Fernando León de Aranoa ("Às Segundas ao Sol", "Amador"). O argumento é de Aranoa em colaboração com Diego Farias. O elenco conta com Benicio Del Toro, Tim Robbins, Olga Kurylenko, Mélanie Thierry e Fedja Stukan, entre outros. PÚBLICO</div><div><br /></div>

Críticas Ípsilon

Os canalizadores da guerra

Jorge Mourinha

Não há nada de errado com esta comédia negra e cínica sobre a guerra nos Balcãs, mas também não há nada de particularmente entusiasmante.

Ler mais

Os Balcãs ao sol

Luís Miguel Oliveira

Parece verdadeiro dizer que Fernando Leon de Aranoa não quis bem fazer (mais) um filme sobre os Balcãs e o seu interminável labirinto.

Ler mais

Críticas dos leitores

2 estrelas

JOSÉ MIGUEL COSTA

A acção deste "Um Dia Perfeito", do espanhol Fernando León de Aranoa, decorre no coração dos Balcãs no período pós-guerra (ano de 1995). Apesar disso, não versa directamente sobre a tradicional denúncia do(s) horror(es) deste conflito, sendo antes uma espécie de comédia (anti)bélica que, recorrendo a um tom irónico e satirico, critíca sobretudo o(s) aproveitamento(s) e a ineficácia das agências (pseudo)humanitárias internacionais que operam no terreno (apesar da boa vontade que porventura possa existir por parte de alguns dos seus voluntários). Fá-lo contando-nos as desventuras de um grupo de colegas que "corre seca e meca" com o objectivo de arranjar uma corda que permita retirar um corpo em putrefacção do interior do único poço de água potável de uma aldeia. E se é verdade que esta história base, em teoria, até tinha pés para andar, e tornar-se num interessante produto absurdo, na prática a montanha pariu um ratinho, por ser tratada de forma algo simplista e com recurso a piadas demasiado básicas e ligeiras, que não poucas vezes roçam o ridículo, em detrimento do almejado registo burlesco (e nem a presença do Benicio del Toro é suficiente para salvá-la).
Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!