Flee - A Fuga

Votos do leitores
média de votos
Biografia, Drama, Animação, Documentário 89 min 2021 M/12 07/04/2022 Estónia, Eslovénia, NOR, GB, FIN, ITA, DIN, FRA, ESP, EUA

Título Original

Flee

Sinopse

Quando era menor, Amin chegou à Dinamarca vindo do Afeganistão. Estava sozinho. Agora tem 36 anos, sucesso no mundo académico e está em vésperas de se casar com o namorado. Mas há algo que o atormenta há duas décadas e que poderá potencialmente estragar a vida que construiu para ele próprio. Esse segredo é contado neste documentário animado, que narra a sua história. Um filme de Jonas Poher Rasmussen que foi nomeado para três Óscares: Melhor Documentário, Melhor Filme Animado e Melhor Filme Internacional. Ganhou um prémio de Melhor Documentário do Mundo no Festival de Sundance. PÚBLICO

Críticas Ípsilon

Flee: caderno de memórias de um refugiado afegão

Jorge Mourinha

Entre Valsa com Bashir e Persépolis, um caso verídico em forma de documentário animado. Chega quinta-feira às salas.

Ler mais

Críticas dos leitores

4 estrelas

José Miguel Costa

“Flee — A Fuga”, um documentário, em formato de animação ("povoado" por algumas imagens reais de arquivo, que contextualizam a situação sócio-politica vivida à época ), dá-nos a conhecer a árdua e longa jornada (que se arrastou durante vários anos) de um jovem gay afegão (e restante família) encetada com o objectivo de fugir do país natal em direcção à Europa, aquando da ocupação talibã, ocorrida nos anos de 1980. <br /> <br />A história veridica, relatada de viva voz pelo protagonatista (Amin - nome ficticio, por forma a proteger a identidade e salvaguar a sua segurança), através de uma entrevista concedida ao seu amigo dinamarquês de longa data, o próprio realizador (Jonas Poher Rasmussen), é conduzida num comovente registo humanista e intimista, que jamais envereda pelo caminho da vitimização/crispação ou da retórica militante (inclusivé, não poucas vezes, recorre ao humor, sobretudo aquando dos constantes flashbacks que nos transportam à sua adolescência - a titulo de exemplo, refira-se a alusão, em tom de piada, à sua primeira grande paixão, o Jean-Claude Van Damme). <br /> <br />Amin (agora com 36 anos) continua a sentir-se um homem encurralado numa carapaça construida por si, que "não se dá" na integra mesmo àqueles que ama, torturado pelo facto de ainda esconder-lhes múltiplos segredos e mentiras. Tal impede-o de exorcizar definitivamente o passado e, consequentemente, viver em pleno o presente. <br />Decide livrar-se de toda essa tralha velha que entope a sua cabeça precisamente neste "espaço de partilha", motivo pelo qual este filme soa tão verdadeiro e possui o dom de enternecer-nos (apesar dos fortes murros que desfere no nosso estômago).
Continuar a ler

***** Maravilhoso!

Daniel Gonçalves

Impressionante, belo e impactante. Um filme inspirador e raro que consegue ultrapassar as barreiras do ecrã e chegar ao público de forma acutilante, como apenas os melhores filmes conseguem fazer.

Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!