Debaixo das Figueiras

Imagem Cartaz Filme
Foto
Votos do leitores
média de votos
Imagem Cartaz Filme
Foto
Votos do leitores
média de votos
Drama 92 min 2021 M/12 14/09/2023 Tunísia, ALE, FRA, SUI

Título Original

Sinopse

Na Tunísia, um grupo de trabalhadores dedica-se à colheita de figos. Naqueles dias, debaixo das figueiras, várias raparigas vão criando laços à medida que discutem sobre o que significa para si o amor, o casamento e a família.

E, enquanto algumas vão namoriscando com os rapazes à volta, outras revelam a sua insatisfação em relação às limitações das suas vidas numa sociedade que é, ainda hoje, marcadamente patriarcal.

Exibido no Festival de Cinema de Cannes e com um elenco formado por actores não-profissionais, Debaixo das Figueiras é uma reflexão sobre o “que significa ser jovem e tunisino no século XXI”. A realização é da responsabilidade da estreante Erige Sehiri, que segue um argumento seu, de Ghalya Lacroix e de Peggy Hamann. PÚBLICO

Críticas Ípsilon

Debaixo das Figueiras. Umas esquivam-se, as outras não

Jorge Mourinha

A primeira longa de ficção da documentarista Erige Sehiri é um filme sobre as possibilidades do amor numa Tunísia em mudança, à sombra de Kechiche.

Ler mais

Críticas dos leitores

Debaixo das Figueiras

Felicidade Domingues

Um filme simples mas bastante marcante que nos mostra várias aspetos da luta que cada indivíduo trava para encontrar o seu lugar no mundo. As mulheres procuram o seu empoderamento e no filme fazem-no de forma surpreendente.

Continuar a ler

3 estrelas

José Miguel Costa

"Debaixo das Figueiras", filme de estreia da jovem realizadora e argumentista franco-tunisina Erige Sehiri, acompanha um dia de laboração - na colheita de figos - de um grupo de trabalhadores sazonais (maioritariamente jovens) de uma comunidade rural da Tunisia, durante o período de férias escolares.

Apesar de possuir uma história base simples e linear, com a acção a decorrer num espaço físico e temporal limitado (desde que são transportados para a herdade pelo patrão, numa pequena carrinha, ao raiar do sol, até ao momento do seu retorno a casa no final do dia), acaba por seduzir-nos devido às suas imagens naturalistas e, simultaneamente, nostálgicas ("desenhadas" por uma radiosa luz natural e captadas, alternadamente, com câmara à mão e planos fixos abertos), bem como pela química emanada pelo elenco de jovens locais não actores (em constante "flirt" entre si... e com a câmara).

Realce-se, igualmente, o realismo da sua narrativa que "disserta" de forma espontânea/"naif", e por entre extemporâneas discussões decorrentes de (des)amores, acerca de questões laborais e sexistas que afectam esta sociedade patriarcal marcadamente conservadora.

Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!