Capitão Falcão

Votos do leitores
média de votos
Comédia 104 min 2015 M/12 23/04/2015

Título Original

Capitão Falcão

Sinopse

Portugal, década de 1960. Capitão Falcão é reconhecido como o mais patriota dos super-heróis. Totalmente leal a António de Oliveira Salazar, o presidente do Conselho de Ministros, ele dedica-se a combater todas as ameaças à nação. E começam a manifestar-se estranhos movimentos antifascistas que podem pôr em causa o Estado Novo... Falcão, juntamente com o seu corajoso companheiro, Puto Perdiz, vai ter de encontrar um meio de eliminar todos os que se atravessem no seu caminho e tenham a audácia – e falta de escrúpulos – de se erguer contra a ditadura portuguesa, algo em que toda a sua vida acreditou.
Uma comédia de acção realizada por João Leitão que parodia uma época especialmente negra da História recente de Portugal. O elenco conta com a participação de Gonçalo Waddington, David Chan, José Pinto, Rui Mendes, Miguel Guilherme, Bruno Nogueira, Nuno Lopes e Ricardo Carriço, entre outros. PÚBLICO
 

Realizado por

João Leitão

Elenco

Gonçalo Waddington, David Chan Cordeiro, José Pinto

Críticas Ípsilon

Um Capitão Esperto que não vai longe

Luís Miguel Oliveira

Podia dar um programa de TV decente mas visto como cinema é de uma enorme pobreza.

Ler mais

Não há comuninja que resista

Jorge Mourinha

Uma comédia com ideias e alguns bons gagues, cujo voluntarismo e humor ficam a nadar no grande écrã

Ler mais

Críticas dos leitores

Daniel Bacelar

Do melhor que tenho visto, pois não é fácil fazer este tipo de filmes, conseguir ter graça, sentido critico e ausência de "fantasmas" além de óptima realização e interpretação. Eu sei que nesta terra ainda há muitos "fantasmas" mas já é tempo de evoluirmos....qualquer coisa!!!!!

Continuar a ler

Rui Morais

Bom argumento, bons actores e, acima de tudo, muito divertido. <br />É pena que não existem mais iniciativas como esta em Portugal. É um filme que não fica sentado, polémico qb e procura satirizar a antiga ditadura (pela primeira vez).

Continuar a ler

Marco Teixeira

<p>Adorei o filme. O Gonçalo confirma-se mais uma vez como um actor excepcional. O puto perdiz é um lutador fantástico. Aliás, as cenas de combate estão excelentes. Há piadas muito boas. Talvez o argumento em certas partes pudesse ser um pouco melhorado (por exemplo a prestão do João Manuel Vieira merecia outro texto) mas, caramba, é uma comédia portuguesa à maneira! Com uma mensagem implícita fantástica que se calhar muita gente não vai perceber. `</p><p>Espero sinceramente que o filme tenha sucesso comercial. Não sendo uma obra de arte que perdurará no tempo, não percebo as poucas estrelas dos críticos do público. Este filme e este tipo de cinema merece ser apoiado.</p>

Continuar a ler

Maria Conceição Martins

Pensei não ir ver o filme tomando em consideração a critica dos senhores que tanto sabem de cinema. Bom filme, critica subtil, humor inteligente. Aconselho o Sr. Jorge Mourinha a rever.

Continuar a ler

Maria Gonçalves

Sou uma assídua do cinema português e, como tal, fui ver. Que desilusão! Muito fraco em todos os sentidos (argumento, desempenho, cenários, música...)

Continuar a ler

Jorge Mendes

O que é hilariante é ver a avaliação que estes "criticos" Jorge Mourinha e Luis Miguel Oliveira fazem dos filmes. São tipos que nada percebem de cinema.

Continuar a ler

Martim

Visto com agrado, boa comédia.

Continuar a ler

MariaSusetMarques@sapo.pt

<p>Normalmente não costumo concordar com as críticas dos críticos" de cinema. <br />Este desgraçado filme (na minha opinião, obviamente) teve o mérito de me reconciliar (pois às vezes, até me zango) com esses críticos. Concordo plenamente com a crítica feita especialmente pelo Luis Miguel Oliveira. </p><p>E acrescento mais, considero o filme pretensioso e sem piadinha nenhuma.</p>

Continuar a ler

Ana Sofia Meireles

<p>Hilariante e muito inteligente. O cinema português precisava duma alfinetada para mexer. </p><p>Um filme que surpreende e desperta.</p>

Continuar a ler

JOSÉ MIGUEL COSTA

Uma enorme surpresa no cinema português. De facto, um (falso mau) filme indie, com "selo de qualidade", em estilo comics (com excelente fotografia), que surge como uma autêntica caderneta de cromos animados sobre a década de sessenta do século passado, é coisa rara por estas bandas (e não tem com que se envergonhar perante congéneres vindos do exterior, ainda mais tendo em conta as suas limitações financeiras - mas até isso lhe confere uma certa mística). Todavia, estará destinado a ser acerrimamente amado por poucos e odiado por muitos (e neste último grupo encontrar-se-ão sobretudo aqueles que não conseguirão perceber a inteligência subjacente à quase total patetice/palhaçada, bem como os moralistas que não perdoarão o "gozo" para com a nossa História recente, que continua a ser uma espécie de vaca sagrada), não haverá lugar a meios termos (mas os seus defensores, por certo, irão transformá-lo numa obra de culto com lugar na história da 7ª arte portuguesa). <p> "Capitão Falcão" é uma hilariante paródia, com uma sátira social sempre latente, a um super-herói salazarista (o maior anti-herói de todo o sempre - interpretado, de forma soberba, pelo Gonçalo Waddington) que defende (juntamente com o seu ajudante, o Puto Perdiz) a pátria contra os malévolos comunistas que pretendem derrubar o casto pai do Estado Novo para implementar a demoníaca democracia (não há comuninja que resista!). </p><p> E pensar que este projecto não foi aceite por qualquer canal de TV (inicialmente foi pensado para formato de série televisiva) ... ahh pois é, há que continuar a alimentar a plebe com "música pimba, Fátima e futebol" (isto porque apenas caiu em desuso um dos 3 "F"s) </p>

Continuar a ler

Envie-nos a sua crítica

Preencha todos os dados

Submissão feita com sucesso!