Cinecartaz

Maria Cabral

A enfiada de clichés

Em contracorrente com a opinião dos espectadores aqui representados, aqui vai a minha sobre esta maçadora enfiada de clichés, a que só falta uma referência às alterações climáticas e ao SNS lá do sítio. Um rei e uma rainha saídos de um livro da Madame X. Príncipes e princesas, condes e condessas, lordes e ladies, absolutamente ridículos. Uma parada militar de cariz rústico, um almoço e um jantar que exigem mais trabalho e movimentação de pessoas do que a parada militar. Um irlandês republicano e patriota "convertido” à monarquia pelo mérito e dignidade dos monárquicos com quem priva. O mesmo irlandês evitando, numa cena de uma simplicidade ingénua, o regicídio. Os criados dos fidalgos em competição com os criados reais, numa verdadeira disputa sobre quais serão os mais patetas e patéticos. A filha enjeitada que a nobre teve com o plebeu. O romance de amor “coup de foudre” que vem remediar tudo. A nobre que sai em defesa da herança da família não por interesse (Deus me livre! que esses não são sentimentos monárquicos) mas por questões genealógicas. Calma, que a senhora é uma fera “bondosa”. Em suma, uma verdadeira paródia. Em síntese, fui ver o filme porque tenho uma excelente opinião sobre o cinema britânico. No melhor pano cai a nódoa e esta é realmente grande mas esquece-se com facilidade. Mérito do filme: mostrar o quanto esta questão de castas, de nobres e de plebeus é ridícula e obsoleta. SOS: britânicos já basta o Brexit, não nos aborreçam com estas enfiadas de clichés, tipo sopa instantânea.

Publicada a 23-09-2019 por Maria Cabral