Cinecartaz

Fernando Oliveira

O primeiro Verão

A história deste filme já foi mil vezes contada: a história do primeiro amor. Miguel e Isabel conhecem-se nas aulas de condução, terão mais ou menos vinte anos. Começa num Verão, nas ruas da Sertã, a aproximação é vagarosa, hesitante, vemos os primeiros olhares apaixonados, os primeiros toques, a história roda à volta desse embaraço. Ela resiste ao avanço dele, quer apenas ser sua amiga, ele desiludido recua, ela volta a procurá-lo, começam a namorar, a história entra no Outono, ele vai ver a mãe e ela oferece-se para tomar do cão que o acompanha há onze anos, acontece um drama, será a reconciliação possível?
Este primeiro filme de Adriano Mendes, que também é o protagonista; ela é Anabela Caetano; é um filme muito bonito porque esta simplicidade da história encharca todo o filme. Há uma espontaneidade tão intensa na forma como o realizador filma o deambular dos dois personagens; como introduz as pequenas coisas que definem o dia-a-dia e se submerge naquele quotidiano; como os persegue pelas ruas e pelos campos e depois sublima essa naturalidade naquilo que é definido pelas expressões, e pelos gestos e movimentos de Miguel e Isabel (especialmente dela); como desenha as angústias e os medos de quem ama naquela correria final nas ruas iluminadas a amarelo das noites da Sertã. Um filme que encanta porque nesta simplicidade vemos a vida a acontecer; acreditamos naquela história e naqueles personagens, porque o realizador parece não querer interferir na “verdade” deles.
É visivelmente uma produção familiar, de amigos, que ultrapassa alguma debilidade formal com um notável gosto em fazer Cinema.
Sublinho: muito bonito.
(em "oceuoinfernoeodesejo.blogspot.pt")

Publicada a 04-04-2021 por Fernando Oliveira