Cinecartaz

Pedro Alhinho

América politicamente correcta

Cecil era miúdo quando em 1926 percebe que a mãe foi violada por um branco numa plantação de algodão e que foi quem condenou o pai à morte, a sangue frio, quando o desafiou a defender a honra. Fica marcado para servir, sem desafiar. Cecil tera 90 anos quando vai à Casa Branca, em que serviu como mordomo durante décadas, encontrar-se com Obama, esse Presidente quase negro que cumpriu mais um sonho americano. Acompanhamos pelo olhar de Cecil as mudanças ocorridas em menos de um século e que transformaram os USA de sociedade racista noutra multicural. Muito politicamente correcto o filme passa pelas revoltas estudantis e negras, pela violência dos ku klux klm e até pelo Vietname, sem tensão e sem violência. Sugerindo até que as transformações sociais foram mais concedidas pelo poder dos brancos que conquistadas pelos negros. Tudo num registo tristonho, ligeiro e doce, para o qual muito contribui a Musica de Rodrigo Leão. Vê-se sem fastio, como uma suave aula de história.

Publicada a 06-10-2013 por Pedro Alhinho