Cinecartaz

Pub
Cartaz do Filme

Três Cores: Azul

Título original:
Trois Couleurs: Bleu
De:
Krzysztof Kieslowski
Com:
Benoît Régent, Florence Pernel, Charlotte Véry, Hélène Vincent, Hugues Quester, Emmanuelle Riva
Género:
Drama
Classificação:
M/12
Outros dados:
SUI/POL/FRA, 1993, Cores, 94 min.

“Azul” é o primeiro dos filmes que compõem a famosa trilogia de Kieslowski, alusiva às três cores da bandeira francesa e representando os ideais da revolução: liberdade, igualdade e fraternidade. Julie (Juliette Binoche) perde o seu marido, um famoso compositor, e a filha num acidente de automóvel. Ao contrário do que seria esperado, o tema da liberdade não é explorado na arena política, mas no campo das emoções, enquanto Julie tenta recomeçar a sua vida libertando-se de todos os laços e compromissos. Numa tentativa de suicídio espiritual, ela corta relações com os que até aí conhecerá para viver completamente anónima e independente no bulício de Paris. Apesar das suas intenções, as pessoas da sua antiga e da sua nova vida insistem em intrometer-se, com as suas próprias carências e preocupações. A realidade criada pelos que precisam e se preocupam com ela acaba por a trazer de volta ao mundo dos vivos. “Azul” venceu três César, prémios da indústria francesa de cinema, incluindo o de Melhor Actriz para Binoche. PÚBLICO

PUB

Votos dos Leitores

Média da votação dos leitores, num total de 45 votos (carregue na posição pretendida para votar)

Votos dos Críticos

Não existem votos dos nossos críticos.

Envie-nos a sua crítica

Para submeter o seu comentário tem que ter javascript activo no seu browser.

Pedimos que respeite os nossos Critérios de Publicação. Reservamo-nos o direito a não publicar quaisquer comentários inadequados ou ofensivos. O seu IP não será divulgado, mas ficará registado na nossa base de dados. Por favor, não submeta o seu comentário mais de uma vez.

Críticas dos nossos leitores

  • Raúl

    Juliette Binoche

    Filme memorável com a melhor e mais simpática actriz europeia da actualidade.

  • Ana Maria

    Critica ao filme

    Maravilhoso, suave e profundo.

  • paula B

    Paula Bernardo

    Um filme fantástico, muito feminino que não posso deixar de me lembrar!