Cinecartaz

F.J. Forte

Uma continuação brilhante!

Vi o "Kill Bill Vol.1" e pura e simplesmente assisti a uma obra de arte, uma obra-prima do cinema mundial, através de uma orgíaca beleza de violência e cores, se é que a violência, quando filmada, pode ser bela. Este segundo filme corrresponde a um exercício em que se extirpa o filme de toda aquela orgia de cores e violência coreografada, mas que corresponde, para mim, à preparação do caminho para o reencontro final entre Bill e a vingadora! Curiosamente, pareceu-me um filme que apela muito mais ao sentimento, à inevitabilidade de um fim que se adivinha, à inevitabilidade da vingança, e por isso mesmo aparentemente depurado de quaisquer formas de beleza nos rituais e na morte. É um filme cru (se descontarmos o carinho e ternura pelo reencontro com a filha). Gostei muito, e gostei sobretudo de Thurman, completamente integrada no seu papel, como, aliás, já tinha estado no primeiro filme. Muito bom também, e o conjunto deixa marcas!

Publicada a 01-08-2004 por F.J. Forte