Cinecartaz

José Miguel Costa

2 estrelas

Quando vi o cartaz e o trailler do filme "Spencer" reneguei-o quase instintivamente, julgando tratar-se de mais um banal, e pouco imparcial, biopic light com o objectivo único de reforçar o endeusamento da "Princesa do Povo". Todavia, após aperceber-me que o mesmo teve honras de exibição no festival de Veneza e que é pertença do chileno Pablo Larrain (um dos meus realizadores de eleição, que me conquistou com "Tony Manero", "No", "O Clube", "Neruda", "Jackie" e "Ema"), mudei imediatamente o "fuso" em 180°.

Infelizmente, o meu faro inicial não me induziu em erro, uma vez que, grosso modo, não passa de um mediocre melodramalhão ultra-maniqueista, e quase básico, que retrata a Diana Spencer (encarnada por Kristen Stewart, que alguns afiançam já ter um pézinho nos óscares) como uma pobre inocente tontinha, completamente isolada, aprisionada no abismo da insensível e retrógrada tradição ancestral da maléfica familia Windsor. E tudo isto tendo apenas por base um mero exercício de especulação (exagerado, que roça a caricatura grotesca) sobre os acontecimentos ocorridos na propriedade de Sandringham, durante a celebração do natal de 1991.
Vale-lhe a excelente e arrojada fotografia - a antitese da utilizada, por norma, em obras com temáticas desta natureza -, bem como a atipica banda sonora (algo barroca).

Publicada a 20-11-2021 por José Miguel Costa