Cinecartaz

José Miguel Costa

4 estrelas

O filme "O Paraíso, Provavelmente" (dirigido, escrito e protagonizado pelo palestiniano Elia Suleiman) é uma comédia política metafórica, (quase) em modo roadtrip, constituida por uma série ininterrupta de gags (aparentemente sem grande fio condutor) trespassados por uma sátira nonsense e burlesca. O seu fino humor resulta sobretudo do rigor geométrico dos planos (todos as posições e movimentos dos personagens - algo "robotizados" - parecem ser integrados a régua e esquadro nas diversas cenas) e da repetição em loop de determinados comportamentos "absurdos". O protagonista surge invarialmente como elemento central, no papel de passivo observador não participante, sem manifestar qualquer posição de indole verbal ( aliás, ao longo do tempo limita-se verbalizar duas palavras, "Nazaré e Palestina"). A acção decorre entre a Palestina, Paris e Nova Iorque, locais que o cineasta percorre em busca de financiamento para o seu novo projecto (que, numa espécie de meta-cinema, é precisamente o filme em apreço), sendo que apenas percepcionamos tal objectivo lá para o meio da narrativa (que nas entrelinhas nos coloca perante o paradigma da "palestinização" do mundo ocidental, cada vez mais controlado/"higienizado" ao nivel dos seus direitos e liberdades individuais).

Publicada a 11-07-2020 por José Miguel Costa