Cinecartaz

José Miguel Costa

3 estrelas

O “Toy Story 3” teve o final perfeito, como tal, seria desnecessário voltar a dar vida aos bonecos fofinhos. Todavia, não sejamos ingénuos, a Pixar deixaria de explorar o filão chorudo desta franquia?
Independentemente disto, nunca negamos um reencontro com velhos amigos, pelo que lá acabamos por ir ao “date” num qualquer centro comercial. E o bocadinho que ficamos ali juntos acaba por ser agradável, sim senhor! Dá para reavivar memórias do passado e confirmar, com apreço, que continuam com boas cores e saudínha (que é o que se quer!). No entanto, a sensação de déja vu jamais deixa de pairar e já não nos empolgamos.
Há amizades que acabam por atingir este patamar, apesar de continuarmos a amá-los incondicionalmente (pelo menos, tentamos convencer-nos disso), escusamos é de encontrar-nos com frequência (mas, como é da praxe, prometemos – sempre – que depois damos uma apitadela para combinar qualquer coisa em breve). E assim, com (forçadas) juras de best friends forever, nos despedimos até ao “Toy Story 5”.

Publicada a 09-07-2019 por José Miguel Costa