Cinecartaz

José Miguel Costa

3 estrelas

"Agradar, Amar e Correr Depressa" é mais um filme francês a incidir sobre a temática do flagelo da epidemia da sida no seio da comunidade gay no decorrer da década de 1990 (e não pretendo ser, de modo algum, depreciativo/redutor com tal afirmação - pelo contrário).
No entanto, o realizador Christophe Honoré opta por desviar-se do registo melodramático e/ou militante que, por norma, caracterizam as obras precedentes desta natureza, até porque, como o próprio referiu numa qualquer entrevista, a sua narrativa não tem directamente a ver com a doença, sendo que esta é apenas utilizada como um veiculo para reflectir em torno da morte e do desejo.
Deste modo, tendo por base o romance condenado entre um jovem bretão aspirante a artista e um citadino escritor mais velho em fase terminal de Sida, somos bafejados com uma obra serena, intimista e pragmática, que consegue intercalar cenas de enorme profundidade emocional com outras mais leves e "engraçadas" (quase sempre impregnadas de uma certa ironia ácida) - e tal também resulta muito graças à preciosa contribuição do trio de actores perfeito, Vincent Lacoste, Pierre Deladonchamps e Denis Podalydès.

Publicada a 13-05-2019 por José Miguel Costa