Cinecartaz

António Neves

Um equívoco?

Nada faz sentido. Escrita terrível, uma narração risível em forma de cartas entre personagens, uma montagem infantil que mal serve uma coisa que começou por ser um livro e se tornou um arremedo de filme lamentável. Pais e filhos, sexualidades, conflitos religiosos, preconceitos e mortalidade são despachados e prensados numa sucessão de cenas inexplicáveis. Um falhanço a todos os níveis? É um exemplo acabado duma fita pretensiosa e absolutamente. Queria ser um Magnólia da era Skype, acaba por ser Ed Wood sem pingo de diversão. Indefensável.

Publicada a 22-04-2019 por António Neves