Cinecartaz

Fernando Oliveira

Captain Marvel

Cada época terá os filmes que merece.
Ou seja, teremos de considerar como óbvio que os produtores dos filmes de entretenimento (tão importantes como os filmes mais de “arte”) produzem os filmes que as pessoas querem ver. Querem ganhar dinheiro.
E são estes mesmo esses filmes.
E “estes” não são apenas os filmes de super-heróis. Estes são aqueles filmes onde se gastam dezenas de milhões de dólares em CGI e efeitos visuais, e depois aceleram de tal maneira a acção que nem temos tempo de nos maravilharmos com eles e, grande parte da vezes, nem percebermos realmente o que nos está a ser mostrado no ecrã.
É pena, porque nos filmes em que nos é apresentada a origem de uma nova personagem há sempre pausas na acção, há sempre algum tempo para as personagens “respirarem”, mas quando se lembram de acelerar é sempre o mesmo catrapum-trás-pum…
É pena, porque Brie Larsson, mesmo no meio desta confusão, consegue ser uma excelente actriz.
NOTA: “tão importantes como os filmes mais de “arte””: isto porque a importância de um filme terá também de ser medida pela sua visibilidade; custe, ou não, admitir um filme visto apenas por meia-dúzia de pessoas em dois ou três festivais, nunca será uma referência fundamental na história do Cinema.
NOTA 2: o titulo do filme em Portugal é das coisas mais idiotas que vi nos últimos tempos.
(em “oceuoinfernoeodesejo.blogspot.pt”).

Publicada a 12-04-2019 por Fernando Oliveira