Cinecartaz

Raul Gomes

A inversão da fragilidade

Assumida, dependente, emocional e fisicamente, torna-se no decorrer da sua vivência, numa feroz auto-destruição, que o impele numa sede de vingança, e ao mesmo tempo, de demonstração/querer, mostrar à sociedade,que não é o cobarde de que as pessoas lhe apontam, ao mesmo tempo que o desprezam, por não ter tido coragem de indiciar o amigo pelo assalto que fez. Perdeu por isso toda a estima que a sociedade tinha por ele, por ter deixado escapar uma oportunidade de se desfazer duma personagem nociva, que aterroriza todo o bairro, mas ninguém faz nada para o alterar, esperando que ele tivesse feito o que os outros não tiveram coragem para o fazer. A ambiguidade da relação/submissão, provoca nele um amor/ódio, que degenera num apocalíptico final. Mas no fundo é um bom homem/pai, que tudo faz (algumas vezes mal) para proporcionar à filha a vida que eles sonham em viver juntos, e a sua integração muito desejada na comunidade que o despreza/esquece. Interpretação notável de Marcello Fonte, num filme que nos deixa sempre uma sensação de esperança/angústia/medo pelo que lhe poderá acontecer.

Publicada a 01-01-2019 por Raul Gomes