Cinecartaz

JOSÉ MIGUEL COSTA

3 estrelas

Ao que parece os clássicos filmes sobre os bastidores do jornalismo de investigação voltaram a estar na berra, pelo que, depois do "Spotlight", eis que chega às salas de cinema “Verdade” (que está uns furos acima daquele que arrecadou o Óscar de melhor filme de 2015). De facto, trata-se de mais uma história baseada em factos verídicos, desta feita sobre o escândalo que, em 2004, abalou a credibilidade do insuspeito programa de informação 60 Minutos do canal CBS, após ter emitido uma reportagem, tendo por base documentação alegadamente forjada, sobre o então Presidente George Bush, na qual se insinuava que este no passado havia utilizado os seus altos contactos políticos para fugir ao destacamento para a guerra do Vietname.

O filme, para além de didáctico, possuí um óptimo ritmo e uma atmosfera envolvente/cativante (apesar de apresentar uma estrutura demasiado esquemática e uma narrativa algo novelesca). Destaque-se ainda a excelente prestação da cada vez mais influente Cate Blanchett (já o Robert Redford, como sempre, faz de Robert Redford - e é pena que a importância dos restantes actores secundários tenha sido sobrevalorizada). Todavia, o grande mérito desta obra encontra-se na crítica ao jornalismo espectáculo, bem nos questionamentos que levanta em relação à função dos jornalistas nos media cada vez mais sedentos de lucros imediatos em detrimento de critérios jornalísticos que busquem constantemente a verdade.

Nota: é deprimente pensar que, se a reportagem em questão tivesse ido para o ar antes da eleição do Bush, tal como estava inicialmente agendado, este, possivelmente, nunca ganharia as eleições (ainda mais quando apenas o conseguiu por uma margem de 537 votos), e o mundo estaria infinitamente melhor (E ASSIM SE VÊ A FORÇA... DA TV!)

Publicada a 10-04-2016 por JOSÉ MIGUEL COSTA