Cinecartaz

JOSÉ MIGUEL COSTA

4 estrelas

Uma Alemanha, destruída pela 2ª guerra mundial, a tentar renascer, qual fénix, dos escombros. Uma judia, acabada de sair de um campo de concentração nazi, que se submete a uma intervenção cirúrgica à cara devido a ferimentos graves. Ambas trilham um mesmo caminho: reconstruir a “face” e buscar a identidade perdida (ou quiçá, construir uma outra). Todavia, como diz a sabedoria popular, “o que foi não volta a ser”, e que o diga a ex-cativa, que alegadamente vê a sua fisionomia de tal modo alterada que não é reconhecida pelo próprio marido quando voltam a (des)encontrar-se (ou, simplesmente, será ele que, fruto dos seus “demónios internos ”, não quer “vê-la”?).

É um filme notável com uma grande carga dramática e emotiva mas, em simultâneo, subtil e contido – muito graças à sofisticada e inteligente narrativa (que, quase aposto, é capaz de vos surpreender lá para o final), bem como à performance da actriz fetiche do Petzold, a glamourosa Nina Hoss, que se comporta como um ser angelical a deambular pelo inferno. E posto isto … não ousem perdê-lo!

Publicada a 24-04-2015 por JOSÉ MIGUEL COSTA