Cinecartaz

JOSÉ MIGUEL COSTA

4 estrelas

“Thriller” psicadélico e alucinado (ou não andasse uma nuvem de ganza sempre a pairar no ar) polvilhado com humor negro e sui generis/descabido (a grande mais valia desta obra - não esquecendo, como é evidente, a performance absolutamente cativante do Joaquin Phoenix no papel de um bizarro detective hippie). Todavia, confesso que é um filme algo complexo (mas quem não quiser esforçar os neurónios que vá ver "as cinquenta sombras de grey") que exige uma atenção redobrada devido à sua narrativa dispersa e povoada por inúmeras "sub-histórias" (nem sei se esta expressão existe smile emoticon) – que, metaforicamente, são como uma espécie de matrioskas russas. No entanto, "entre mortos e feridos, alguém há-de escapar" e no final os "nós lá acabam por entrelaçar-se" e a coisa compõe-se na nossa cabeça.
Em suma, é, sem dúvida, um bom filme -repito- muito graças ao seu humor non sense, no entanto, não chega aos calcanhares dos geniais "Magnólia" e "Haverá Sangue".

Publicada a 28-02-2015 por JOSÉ MIGUEL COSTA