Cinecartaz

Nazaré

Lágrimas enquanto se fala de bola

É costume dizer-se que nas horas difíceis é que se conhecem os verdadeiros amigos. E não é raro que isso leve à conclusão que não se tem nem um sequer. Locke (Tom Hardy) descobre que está rodeado de egoísmo, e é por fazer algo no sentido oposto ao seu próprio egoísmo (porque tem o exemplo do próprio pai) que todos o castigam, sem dó nem piedade. A ideia desta fita está magnificamente realizada, desde a presença do protagonista, da qual não nos cansamos, ao ritmo da narrativa, marcado pelos diálogos ao telefone, e à muito hábil filmagem da auto-estrada, com as imagens reflectidas nos vidros do carro, as constelações de luzes desfocadas, a noite. De vez em quando há filmes assim: que nos mostram ainda haver lugar para o novo, e que os artistas que arriscam o novo têm unhas para arrebatarem o nosso entusiasmo.

Publicada a 03-08-2014 por Nazaré