Cinecartaz

JOSÉ MIGUEL COSTA

5 estrelas

"LOCKE", STEVEN KNIGHT (?????)

Uma só personagem (Tony Hardy, que interpreta - de modo soberbo, lúcido e equilibrado- um homem que vamos descobrindo, aos poucos, ser integro, dedicado, honesto e com fantasmas familiares que o perseguem) numa viagem de carro (em tempo real, 85 minutos) a caminho de Londres (para tentar remediar um pequeno deslize, que à partida desconhecemos, cometido sem intenção num passado recente, que colocará em causa, quiçá irreversivelmente, a sua imaculada vida conjugal e profissional) é o suficiente para poder afirmar com convicção que este é provavelmente do melhor que vi em cinema no decorrer do presente ano (e olhem que já assisti muito bons filmes nestes últimos 6 meses). Mais minimalista, intimista e simples (não confundir com simplista) que isto é quase impossível, no entanto, o argumento está tão bem construído (embora retrate um evento perfeitamente banal, sem recurso a grandes "aparatos intelectuais" e/ou reviravoltas no decurso da história) e com timmings perfeitos que durante todo o período de exibição da película sentimo-nos completamente sufocados, inquietos e, não poucas vezes, damos connosco a sofrer a pressão psicológica conjuntamente com o protagonista (tal é a incerteza sobre o rumo dos acontecimentos - e, todavia, sabemos que o mais certo é que nem suceda nada de transcendente).

Publicada a 27-06-2014 por JOSÉ MIGUEL COSTA