Cinecartaz

Miguel Dias

Esperava-se bem mais...

De uma "equipa de sonho" como Snyder, Nolan e Goyer, fica-se como um travo amargo na boca. Quem viu filmes como "Watchmen" e "Batman Begins", assistiu a obras equilibradas, bem construídas, com boa caracterização dos personagens e bom desenrolar do "fio condutor". Neste novo filme do super-homem, isso não aconteceu. Até ao intervalo (ou até cerca de metade para quem viu sem intervalo) mantém-se num nível elevado, mas depois foi decrescendo até ao final. Muita destruição visual, muitos efeitos especiais mas, na minha opinião, falharam na essência do herói Super-Homem. Foi bem trabalhado a caracterização do personagem nas suas origens (planeta natal - krypton), infância e adolescência, mas pouco ou mal na idade adulta. A principal "imagem de marca" deste herói sempre foram os salvamentos, como pessoa nobre, íntegra e responsável a que nos habituaram ao longo dos tempos. Neste filme, muitas vezes parece que nem se preocupa com o que está à sua volta, desde que consiga dar resposta às investidas dos adversários. Depois, como paradoxo total, no fim chora por ter morto o seu rival. Enfim... No geral, se eu não soubesse o título do filme, diria que era o Dragon Ball, com seres do espaço a combaterem na terra e destruição em massa. Há partes do filme que são tão estranhas ou forçadas que indicam falta de criatividade ou então stress por parte dos "obreiros" do filme. Realço o bom desempenho de Russel Crowe numa película que deixa muito a desejar. 3 Estrelas ou então 5,5 numa escala de 10.

Publicada a 01-07-2013 por Miguel Dias