Cinecartaz

MIGUEL COSTA

TIM BURTON menor

O filme, que é uma adaptação de uma série televisiva norte-americana dos anos 60 (que tem por base a história de um jovem abastado do séc. XVIII, cuja vida sofre uma reviravolta de 180º graus, devido à maldição lançada por uma bruxa ciumenta que o transforma num vampiro e provoca a morte daqueles que este mais amava - por não suportar que o seu coração pertencesse a outra) não consegue assombrar (embora seja suposto ser um conto de terror gótico) nem deslumbrar (o realizador opta por um humor ligeiro, deixando de parte a comédia absurda, registo no qual costuma "dar cartas").
De facto, "Sombras da Escuridão" tem uma história algo simplória e sofre de uma falta de foco na narrativa (explora pouco os "temas", nomeadamente, as diferenças culturais, que poderiam dar excelentes gags, resultantes do hiato de 2 séculos em que o personagem principal esteve fechado num caixão sete palmos abaixo de terra - dado que este apenas retornou ao contacto com o mundo dos vivos em 1970) e não surpreende (falhando sobretudo no final, que parece ter sido "cozinhado à pressa e com poucos temperos"), dando origem a um produto morno, que poderia até pender para a categoria B se não fosse o toque à la Burton.
Resta-lhe o esplendor visual (todo o universo mágico de Tim Burton está lá) e o seu actor fetiche, Johnny Depp (que, como sempre, está deslumbrante, desta feita no papel de um sedutor vampiro pop).
Em suma estamos em presença de um filme menor de um realizador que nos habituou a "grandes clássicos". Espero que o seu próximo "Franklesteen" nos faça esquecer este seu "tropeção".

Publicada a 15-05-2012 por MIGUEL COSTA