Cinecartaz

Nazaré

Johnny Depp encontrou o amor eterno

É um filme giro, 100% no estilo fantasista de Tim Burton. E, em contraste com a moda de vampiros que para aí anda, é uma história com nível e que entra pouco em superpoderes da treta (excepção para a "batalha" final, um deslize muito lamentável onde nem faltam lobisomens temporários). A personagem de Johnny Depp, anacrónica no comportamento e na linguagem, mas lúcida e apaixonada, presta-se a momentos de humor deliciosos nas cenas com Michelle Pfeiffer ou Helena Bonham Carter, excelentes actrizes. Eva Green é a "bruxa" que o herdeiro do potentado Collins em tempos rejeitou, com consequências um bocado... pesadas para os Collins, e a etérea Bella Heathcote é o "anjo" que teve o condão de o cativar. Com estas duas o protagonista é bem mais convencional, mas a arte de Burton traz momentos adoráveis, por exemplo o coração partido e a cena na varanda.
Mas quem passa pelo tempo sem que o tempo passe por ele é, muito apropriadamente, Alice Cooper. Realmente, em 1972-3 ele parecia igualzinho. Vamos lá a ver quem é que aparece na sequela deste filme (Madonna?).

Publicada a 06-06-2012 por Nazaré