Cinecartaz

André Bianchi

Os reféns do sexo e a masturbação estéril da solidão

"Shame" é muito mais que um filme sobre a "Vergonha" de um instinto incontrolável que domina e consome o livre arbítrio e a autodeterminação.

É, acima de tudo, um filme sobre a solidão daqueles que, incapazes de resistir ao seu mais primitivo instinto sexual permanecem numa constante masturbação estéril porque dele nunca logram obter a satisfação plena que permite a acalmia do espírito... e, nesse sentido, se tornam seus reféns, isolados do mundo e fechados em si mesmos.

O universo de Shame é pois povoado por personagens desprovidos de sentimentos, de emoções e pleno de vazio, inquietude e, acima de tudo, triste...muito triste.
Porque, no fundo, o seu herói almeja os afetos, simplesmente a sua natureza não o permite...

Com uma performance de Fassbender de uma complexidade monumental - inquestionavelmente a melhor do ano passado - e uma realização notável de McQueen, o sentimento que provoca no espetador não é de "Vergonha" mas sim de tristeza, muita tristeza pela solidão incomensurável do seu protagonista.

Publicada a 12-03-2012 por André Bianchi