Cinecartaz

TiagoDJ

Muito bom

Ao contrário de algumas críticas parciais que li aqui, este filme retrata muito bem o acontecimento em causa. De facto, nada tem a ver com a H1N1 ou com outro tipo de epidemias localizadas, como a do "Outbreak" (com o Dustin Hoffman). A banda sonora é péssima e não condiz com o tema do filme. As interpretações são óptimas, dentro do limite que cada personagem pode dar, não cada actor. Se esta história não fosse contada num filme, acabaria por ser esticada numa série com 3 ou 4 temporadas, onde então seriam detalhadamente explorados outros pormenores. Claro que os actores não seriam os mesmos e o interesse perder-se-ia rapidamente. No filme, a realidade é mostrada de uma forma mais crua. Em menos de duas horas, mostra-se o que acontece num espaço de 5 meses, após o desencadear de um vírus mortal desconhecido. Deu-se importância a alguns pormenores mais relevantes como a forma de acção das organizações de saúde, a instalação de pânico na população e a tentativa de resolução do problema principal. Desde o Dia 2 até à atribuição das vacinas à população, assistimos a várias perspectivas, do povo, da política, dos média e dos cientistas. O grande interesse e a parte mais importante do filme é exactamente a última cena, em que nos é apresentado o Dia 1 e em que se mostra a ingénua forma do aparecimento do vírus. Esta sim, é a parte aterradora de todo o filme, sem banda sonora de choque, sem diálogos, sem quês nem porquês. Simplesmente uma imagem de "Queres saber como? Então foi assim." E o espectador só cala e consente. A não perder, nem que seja por um piscar de consciência.

Publicada a 26-10-2011 por TiagoDJ