Cinecartaz

Fernando Oliveira

Winter`s bone

Lembra a weird América que normalmente nos é mostrada em filmes de terror sobre comunidades isoladas que desenvolvem regras sociais desfasadas das que aceitamos como normais; mas é, tal e qual os cenários invernosos onde decorre a acção, um frio e cinzento retrato sobre a arquitectura sociológica de uma comunidade definida pela extrema pobreza material e moral (?).
Ree Dolly é uma jovem de dezassete anos que vive nas zonas mais remotas do Missouri, toma conta de dois irmãos ainda crianças e de uma mãe com graves problemas mentais, o pai desapareceu. Arrastam-se pela vida, procurando apenas sobreviver (cruel a visita de Ree ao liceu (?) onde assiste as duas actividades: jovens a aprenderem a ser pais, ou em “alternativa” as regras do exército). Um dia é notificada que o pai deu a quinta e a casa como fiança à Justiça, se não comparecer no Tribunal perderão tudo. Decide então procurá-lo.
A realizadora, Debra Granik, segue esta demanda quase como que documentando a realidade daquela gente: uma comunidade fora da legalidade, onde uma das actividades principais é o fabrico de drogas; cruel e fora do tempo; machista e onde ao mesmo tempo as mulheres são o pilar da união familiar; e onde os segredos, lealdades retorcidas e o medo dominam as relações entre os habitantes. E segue Ree sem mostrar grande simpatia pela personagem; encontra-a num momento importante da sua vida, segue-a, e abandona-a quando a situação é resolvida, mas tudo fica na mesma. Não há qualquer tipo de redenção para Ree que, aliás, convive perfeitamente bem com as regras sociais daquela gente. Granik parece concentrar-se essencialmente numa espécie de representação gráfica da pobreza daquela gente, afastando muitas vezes a câmara das personagens para se concentrar na degradação das quintas, no lixo espalhado, no ferro-velho por todo o lado, nos animais esqueléticos; que conjuga de forma perfeita com a natureza inóspita dos lugares: as árvores despidas, o chão coberto de folhas mortas…
Mas ao não dramatizar demasiado os personagens; e seja pelo magnífico argumento, ou pela excelência dos actores (a magnífica Jennifer Lawrence, mas também John Hawkes e Dale Dickey); este distanciamento consciente acaba por transmitir uma ideia de um realismo agreste, onde o dramatismo da história é esbatido no dramatismo dos ambientes. E isso faz de “Winter`s bone” um filme extremamente tocante.
Alguém escreveu (mais ou menos) que esta tenuidade faz comparar o filme a uma serpente à espera. Tal e qual.
Um filme muito bom.
(em "oceuoinfernoeodesejo.blogspot.pt")

Publicada a 21-02-2021 por Fernando Oliveira