Cinecartaz

João Mestre, 17 anos

Léon e o seu objetivo inexistente

Espanta-me o vazio e a angústia existencial presente nos dois personagens principais muito bem representadas por Jean Reno e Natalie Portman. O personagem principal trabalha para um pequeno empresário, Tony, dono de um pequeno restaurante italiano na cidade de Nova Iorque, que guarda o dinheiro do assassino e dá-lhe uma pequena mesada para conseguir sobreviver. Tony faz Léon acreditar numa larga quantia monetária que o empresário guarda como se fosse um banco. Não é de impressionar que tal quantia jamais existira e que Léon trabalha quase de graça. A este ponto e a meu ver, a vida do personagem principal perde todo o sentido, estando esta entregue ao destino, fazendo trabalhos de alto risco sem qualquer propósito ou objetivo. Assim o personagem principal demonstra-se, com muito detalhe, ingénuo e vazio por dentro.
O filme está muito bem concebido e mesmo sendo antigo para a data em que o assisti (2021), torna-se muito interessante, embora a vida dos dois personagens seja angustiante.

Publicada a 03-03-2021 por João Mestre, 17 anos